Busca avançada
Ano de início
Entree

Equipamento para diagnóstico da neovascularização da córnea através de imagem capturado pelo celular

Processo: 18/08344-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de maio de 2019 - 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Tais Hitomi Wakamatsu
Beneficiário:Tais Hitomi Wakamatsu
Empresa:Vision Serviços Médicos Ltda - ME
CNAE: Atividades de serviços de complementação diagnóstica e terapêutica
Atividades de apoio à gestão de saúde
Atividades de atenção à saúde humana não especificadas anteriormente
Município: São Paulo
Pesq. associados:José Alvaro Pereira Gomes ; Ugo Ibusuki
Assunto(s):Processamento de imagens  Doenças da córnea  Bioengenharia  Oftalmologia  Diagnóstico por imagem 

Resumo

Este projeto considera vários desafios no estudo e monitoramento do tratamento da neovascularização corneana (NV). A córnea é por natureza avascular, e desta forma mantida constantemente em condições saudáveis para que apresente a sua total transparência. Com aproximadamente 1mm de espessura na periferia e 0.5mm no centro, a córnea é constituída por uma camada externa de epitélio escamoso estratificado não queratinizado, um estroma de colágeno com queratócitos e, a rodear a câmara anterior, um endotélio cuboide (Rodrigues, 2015). A córnea, para além de desempenhar a função de barreira de proteção dos tecidos intraoculares, funciona essencialmente como elemento de transmissão e refração da luz incidente como uma lente da câmera. Para uma transmissão eficiente da luz é fundamental a manutenção da transparência da córnea, processo no qual a avascularidade representa um fator chave. Em condições anormais de superfícies oculares inflamadas, a córnea apresenta forte tendência à vascularização, o que predispõe a sua opacidade e consequente baixa de visão. A neovascularização da córnea se torna um estudo prioritário pois consiste em um distúrbio que afeta 1% da população em geral podendo causar a cegueira em quase 12% dos pacientes com o sintoma (Dastjerdi et.al., 2009). O uso de lentes de contato, cuja popularidade tem vindo a aumentar nas últimas décadas, tornou-se numa das principais causas de NV. As lentes de contato estimulam a neovascularização, quer causando irritação mecânica do sulco límbico e erosão epitelial, quer através da indução de hipóxia e hipercapnia, o que conduz a inflamação límbica e libertação de mediadores da angiogénese provocando a NV. A neovascularização corneana pode conduzir a uma perda irreversível da acuidade visual, o que implica uma abordagem terapêutica precoce e agressiva através de colírios tópicos que devem ser monitorados por médicos especialistas periodicamente (Wakamatsu, 2014). Para que as opções de tratamento sejam adequadamente avaliadas, as imagens da córnea devem ser tomadas em intervalos periódicos e a vascularização monitorada longitudinalmente. No entanto, vários problemas entram na análise, uma vez que as imagens podem ser de qualidade variável. Fatores que podem levar a diferenças ou a deterioração nas imagens são: (i) diferenças de iluminação, entre exames; (ii) variabilidade inter ou intra-operador na tomada das imagens; (iii) falta de nitidez nas imagens da córnea; (iv) falta de conhecimento sobre as características de absorção de frequência dos tecidos dos olhos. O objetivo deste projeto consiste em desenvolver um equipamento para diagnóstico por imagem da área neovascularizada da córnea, através do desenvolvimento de uma tecnologia nacional mais economicamente viável para possibilitar imagens com nitidez adequada para um melhor diagnóstico clínico, através da extração e cálculo automático da área vascular. A proposta consiste em desenvolver um dispositivo portátil acoplado a smartphones, facilitando o acesso das populações mais pobres e desatendidas a exames oculares, desafogando também as filas nos hospitais públicos de grandes centros, e reduzindo os custos de aquisição de equipamentos sofisticados para este fim. A imagem extraída por este dispositivo será processada por um software de inteligência artificial que irá calcular a área neovascularizada da córnea, comparar com exames anteriormente realizados pelo mesmo paciente e gerar um diagnóstico de forma automatizada. (AU)