Busca avançada
Ano de início
Entree

Resposta do músculo esquelético ao deflazacort, dexamethasone e metilprednisolona

Processo: 19/08527-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de julho de 2019 - 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Edmar Zanoteli
Beneficiário:Edmar Zanoteli
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Neurologia  Atrofia muscular  Músculo esquelético  Dexametasona 

Resumo

Os glicocorticóides representam alguns dos medicamentos mais prescritos e são amplamente utilizados no tratamento de doenças neuromusculares, mas seu uso leva a efeitos colaterais como a atrofia muscular. No entanto, diferentes glicocorticóides sintéticos podem levar a diferentes efeitos musculares, dependendo da sua formulação química. Aqui, pretendemos demonstrar os efeitos histológicos e moleculares no músculo da administração de diferentes glicocorticoides. Métodos: Setenta ratos Wistar machos distribuídos em sete grupos receberam diferentes glicocorticoides em equivalência por dez dias em solução salina. Os grupos de estudo foram: (1) solução salina do grupo controle (CT); (2) dexametasona (DX) 1,25 ou 2,5 mg / kg / dia; (3) metilprednisolona (MP) 6,7 ou 13,3 mg / kg / dia; e (4) deflazacort (DC) 10 ou 20 mg / kg / dia. Ao final do estudo, os animais foram eutanasiados, e os músculos tibial anterior e gastrocnêmio foram coletados para ATPase metacromática (medida da área transversal (CSA)), Western blotting (expressão proteica do fator de crescimento semelhante à insulina-1 (IGF). -1), vias de Raf e miostatina) e experimentos de RT-PCR (MURF-1, Atrogina-1 e expressão de genes de IRS). Resultados: A atrofia muscular ocorreu preferencialmente em fibras do tipo 2B em todos os grupos tratados com glicocorticóides. DC em 10 mg / kg / dia foi menos prejudicial ao tipo 2B fibras CSA do que outras doses e tipos de glicocorticóides sintéticos. Nas fibras do tipo 1, CSA, doses mais baixas de DC e DX foram mais prejudiciais do que as altas doses. O DX teve um efeito maior na via do IGF-1 do que outros glucocorticoides. A MP afetou mais significativamente a expressão de P-ERK1 / 2, troca de fibra muscular (rápida a lenta) e expressão de genes de REDD1 e MyoD do que outros glicocorticoides. Em comparação com DX e MP, DC teve menos efeito sobre a expressão de atrogenes (MURF-1 e Atrogin-1). No entanto, DC aumentou Smad2 / 3 e MSTN e diminuiu a expressão dos genes IRS-2. Conclusões: O tratamento com glicocorticóides diminuiu a área das fibras em todos os grupos, mas aparece através de diferentes mecanismos de sinalização. O deflazacort teve o menor efeito no tamanho da fibra muscular, possivelmente devido à menor expressão de atrogenes (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
FAPPI, ALAN; NEVES, JULIANA DE CARVALHO; SANCHES, LEANDRO NUNES; MASSAROTO E SILVA, PEDRO VICTOR; SIKUSAWA, GUILHERME YUITI; CORREA BRANDAO, THAYANE PEREIRA; CHADI, GERSON; ZANOTELI, EDMAR. Skeletal Muscle Response to Deflazacort, Dexamethasone and Methylprednisolone. CELLS, v. 8, n. 5 MAY 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.