Busca avançada
Ano de início
Entree

A Voz do Povo: breve genealogia de uma longa história de discriminações

Processo: 19/07737-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de julho de 2019 - 30 de junho de 2020
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística - Teoria e Análise Lingüística
Pesquisador responsável:Carlos Félix Piovezani Filho
Beneficiário:Carlos Félix Piovezani Filho
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Análise do discurso 

Resumo

A voz do povo sempre foi alvo de inúmeros preconceitos. Porque se trata de um fato social e histórico, essa constância possui gêneses diversas, mas também envolve consideráveis modificações. O objetivo da obra consiste em examinar e compreender a formação e as metamorfoses dessa longa história de discriminações sofridas pelas práticas de fala e de escuta desempenhadas pelos membros das classes populares. Para alcançar esse objetivo, dividimos nossas reflexões e análises em 3 (três) capítulos. No primeiro, Ouvir a voz do povo, desenvolvemos a ideia de que há uma história política dos sentidos e de que, por extensão, a escuta é uma construção histórica, em que estão implicados fatores sociais e políticos, culturais e afetivos. Nesse sentido, sustentamos a tese de que os contextos particularmente marcados por desigualdades sociais estão mais propensos a desdenhar e a marginalizar as manifestações populares, seus meios de expressão e sua capacidade de interpretação, principalmente quando seu desempenho ocorre no espaço público. Em seguida, no segundo capítulo, Breve genealogia da voz e da escuta populares, empreendemos uma história dos discursos sobre a fala pública popular e sobre a escuta popular da fala pública, mediante a qual demonstramos, por um lado, a existência de uma sólida e extensa conservação dessas discriminações e, por outro, o surgimento tardio, ambivalente e escasso, mas também relativamente crescente de legitimidades investidas nas práticas populares de linguagem. Na esteira dessa genealogia, no terceiro capítulo, Retratos de um porta-voz popular na mídia brasileira, examinamos uma amostra do que se diz a propósito da oratória popular no Brasil contemporâneo, observando as representações que muitos veículos de nossa imprensa tradicional fazem dos pronunciamentos públicos do ex-presidente Lula. Encerramos o livro com a indicação do potencial libertário contido no que chamamos de metalinguagem da emancipação popular. Essa metalinguagem emerge em falas de sujeitos das classes populares que tratam justamente das falas que os tomam como objeto ou que lhes são dirigidas. Por seu intermédio, tanto se reivindica a legitimidade constantemente negada à voz do povo quanto se desconstrói a ideia segundo a qual há falas e escutas essencial e definitivamente melhores do que outras. Em suma, essa metalinguagem é fundamental para a suspensão dos estigmas imputados à fala e à escuta populares, por meio dos quais distintos poderes opressores tentam tapar os ouvidos e fechar as bocas daqueles a quem não querem ouvir e nem tampouco pretendem deixar falar. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Livro aborda discriminações da fala popular 
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (1 total):
Revista Museu: Livro aborda discriminações da fala popular (31/Mar/2020)