Busca avançada
Ano de início
Entree

Fatores maternos e do lactente associados à concentração de oligossacarídeos do leite humano de acordo com os fenótipos Secretor e Lewis

Processo: 19/12355-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de julho de 2019 - 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição
Pesquisador responsável:Tania Beninga de Morais
Beneficiário:Tania Beninga de Morais
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Nutrição infantil 

Resumo

Os oligossacarídeos do leite humano (OLHs) são carboidratos multifuncionais naturalmente presentes no leite humano que agem como prebióticos, previnem a adesão de patógenos e infecções, modulam o sistema imunológico e podem apoiar o desenvolvimento neurológico dos lactentes. A composição de OLHs é muito individualizada e as diferenças nas concentrações de OLHs podem afetar a saúde da criança. A variabilidade dos OLHs pode ser parcialmente explicada pela atividade dos genes Secretor (Se) e Lewis (Le) na mãe, mas fatores maternos não-genéticos também podem estar envolvidos. Neste estudo observacional e transversal, 78 amostras de leite humano entre 17 a 76 dias pós-parto (mediana: 32 dias, IIQ: 25-46 dias) foram coletadas de nutrizes brasileiras, analisadas por 16 OLHs representativos por cromatografia líquida acoplada a espectrometria de massa e associações entre fatores maternos e infantis com concentrações de OLHs foram investigadas. As concentrações de OLHs apresentaram uma alta variabilidade mesmo em mulheres com o mesmo fenótipo SeLe e associações com doença alérgica materna, tempo pós-parto e com o peso, ganho de peso e sexo do lactente. No geral, apresentamos dados inéditos sobre as concentrações de OLHs no leite de nutrizes brasileiras e novas associações de doença alérgica materna e sexo do lactente com concentrações de OLHs. As diferenças na composição de OLHs atribuídas ao fenótipo SeLe materno não afetam o crescimento infantil, mas concentrações mais altas de OLHs específicos podem proteger contra o ganho excessivo de peso. (AU)