Busca avançada
Ano de início
Entree

Regulação da homeostase proteica pela co-chaperona STI1 em células-tronco pluripotentes

Processo: 19/00341-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2019 - 30 de abril de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Convênio/Acordo: Consórcio de Alberta, Laval, Dalhousie e Ottawa (CALDO)
Proposta de Mobilidade: SPRINT - Projetos de pesquisa - Mobilidade
Pesquisador responsável:Marilene Hohmuth Lopes
Beneficiário:Marilene Hohmuth Lopes
Pesq. responsável no exterior: Marco Antonio Maximo Prado
Instituição no exterior: Western University , Canadá
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Instituição parceira: Western University
Pesq. associados:Flavio Henrique Beraldo de Paiva ; Vania Ferreira Prado
Vinculado ao auxílio:17/20271-0 - Estudo da proteína prion na dinâmica de módulos multiproteicos de sinalização associados a stemness de células de glioblastoma: seu papel como marcador funcional e potencial alvo terapêutico, AP.R
Assunto(s):Células-tronco pluripotentes  Células-tronco embrionárias  Proteostase  Glioblastoma  Proteínas de choque térmico  Proteínas de choque térmico HSP70  Proteínas de choque térmico HSP90  Blastocisto  Cooperação internacional 

Resumo

Células pluripotentes têm o potencial de se diferenciar em todos os tipos celulares de um organismo e a compreensão dos mecanismos que governam o status de pluripotência é crucial para a medicina regenerativa. Evidências indicam o envolvimento do mecanismo de proteostase, regulado pela proteína induzida por choque térmico / proteína indutível ao estresse 1 (STIP1) e seus ligantes, Hsp70 e Hsp90, na embriogênese e manutenção da pluripotência de células-tronco embrionárias (CTEs). Resultados promissores de um projeto de pesquisa, iniciado em um período sabático pela Dr. Lopes na University of Western Ontario, demonstram a capacidade do STIP1 na regulação dos principais fatores de pluripotência de células-tronco. Com base nesses resultados preliminares, um componente crítico para esses esforços colaborativos é a geração de vários modelos de camundongos almejando o gene STIP1. O grupo do Dr. Prado foi pioneiro no estudo da função do STIP1 na embriogênese de mamíferos in vivo. Além disso, seu grupo recentemente demonstrou que a deleção de STIPI em camundongos é letal para o embrião, o que sugere que o STIP1 é um fator essencial no estágio inicial do desenvolvimento embrionário. Várias linhagens de camundongos transgênicos para STIP1, expressando diferentes níveis de STIP1, estão disponíveis e pesquisadores da Western são o único grupo no mundo a manter a nova linhagem STIP1”TPR1 gerada (expressando a isoforma truncada do STIP1). Essas linhagens de animais transgênicos são fundamentais para nossa proposta a qual visa compreender como o STIP1 e seus parceiros regulam a proteostase em células-tronco pluripotentes. Nossa hipótese é que o STIP1 é um regulador chave da maquinaria de chaperonas Hsp90 e Hsp70 durante o desenvolvimento mediando a autorrenovação e a diferenciação de CTEs. Os nossos principais objectivos são: i) determinar se STIP1 regula os níveis de clientes e co-chaperonas necessários para o desenvolvimento embrionário; ii) Determinar se as alterações nos níveis STIP1 regulam a autorrenovação e a pluripotência de CTEs; iii) Determinar os mecanismos pelos quais o aumento e / ou diminuição dos níveis de STIP1 regulam a resiliência das células-tronco embrionárias. Para atingir esses objetivos, CTEs derivadas de blastocistos de camundongos transgênicos que expressam diferentes níveis de STIP1, serão usadas para ensaios de proliferação celular, diferenciação, sobrevivência, autorrenovação e formação de corpos embrioides. Essa colaboração permitirá que o Dr. Lopes continue a se beneficiar da participação em um ambiente de pesquisa com um grupo consolidado que contribuirá para estabelecer novas colaborações com potencial impacto nos Programas de Pós-graduação de ambas as instituições, com visitas curtas de jovens estudantes e bolsistas a centros de pesquisa para desenvolver pesquisas avançadas. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Workshop Molecular, Cellular and Behavioral Aspects of Neurological Disorders