Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de biofertilizante nitrogenado a partir de biomassa da associação simbiótica Azolla/Anabaena para uso como insumo agrícola

Processo: 18/14949-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de julho de 2019 - 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Diego Bonaldo Genuário
Beneficiário:Diego Bonaldo Genuário
Empresa:Biodiversita Serviços de Apoio Agrícola Ltda. - ME
CNAE: Atividades de apoio à agricultura
Município: Jaguariúna
Pesquisadores principais:Suikinai Nobre Santos
Pesq. associados:Fábio Sérgio Paulino da Silva
Bolsa(s) vinculada(s):19/19015-4 - Desenvolvimento de biofertilizante nitrogenado a partir de biomassa da associação simbiótica Azolla/Anabaena para uso como insumo agrícola, BP.TT
19/15612-8 - Desenvolvimento de biofertilizante nitrogenado a partir de biomassa da associação simbiótica Azolla/Anabaena para uso como insumo agrícola, BP.PIPE
Assunto(s):Agricultura  Cianobactérias  Aquecimento global  Fixação de nitrogênio  Produção de alimentos  Fertilizantes biológicos  Insumos agrícolas 

Resumo

A revolução verde difundiu a adoção de práticas de cultivo em sistemas de produção agrícola direcionados para o aumento da produtividade. Mais notadamente a utilização intensiva de fertilizantes nitrogenados produzidos artificialmente a partir de matéria-prima derivados do petróleo, um substrato altamente poluidor e não-renovável. Com a expansão populacional e a progressiva demanda por alimentos, é esperado um aumento considerável da utilização desse recurso mineral, impondo-nos uma dependência crescente desse insumo em face à sua iminente escassez. Apesar de o Brasil ser um grande produtor agrícola, sua dependência por fertilizantes nitrogenados é elevada. Cerca de 42% desse insumo é importado da Rússia, enquanto somente 25% são sintetizados nacionalmente, em um mercado dominado por poucas empresas (Vale Fertilizantes, Petrobrás e Yara). A elevada taxa de importação desse fertilizante contribui fortemente para desequilíbrio da balança comercial brasileira em função do valor desse insumo estar vinculado ao preço do petróleo e das variações cambiais. Assim, buscar e adotar sistemas alternativos e sustentáveis para a produção de fertilizantes nitrogenados é uma necessidade crescente em um mundo dependente da agricultura. Portanto, a fixação biológica do nitrogênio (FBN), um processo naturalmente conduzido por grupos de bactérias diazotróficas desponta-se como uma alternativa viável quando utilizada em larga escala, para diminuir nossa dependência por fertilizantes nitrogenados sintéticos. Nesse cenário, biofertilizantes produzidos a partir de biomassas de sistemas simbióticos altamente adaptados para FBN como a associação de Azolla/Anabaena x Nostoc merecem destaque por já serem utilizados de formas eficientes em sistemas de produção de arroz. O presente projeto visa a produção nacional e em escala industrial de biofertilizante rico em fonte de nitrogênio, elemento essencialmente utilizado em culturas agrícola, por um processo biotecnológico associando as competências científicas e tecnológicas estabelecidas por grupos de pesquisa brasileiros e utilizando recursos genéticos nacionais. Ao final deste período, objetiva-se elaborar um fertilizante natural nitrogenado a partir da biomassa da associação simbiótica Azolla/Anabaena x Nostoc, primeiro biofertilizante nacional nesta categoria. Ressaltando que essa tecnologia visa suprir e/ou diminuir a carência do mercado nacional para esse produto. Pretende-se criar condições de desenvolvimento de processos e de produção do biofertilizante com qualidade em escala piloto utilizando métodos simples e sustentáveis. Espera-se obter resultados promissores do ponto de vista transferência de tecnologia para indústria e que estejam em consonância ao atendimento da demanda nacional para fertilizantes nitrogenados. (AU)