Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do potencial de novas nanopartículas poliméricas como agentes de encapsulação e liberação simultânea de um agente fotossensibilizador e um princípio ativo quimioterápico

Processo: 19/04269-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2019 - 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Materiais Não-metálicos
Pesquisador responsável:Simone de Fátima Medeiros Sampaio
Beneficiário:Simone de Fátima Medeiros Sampaio
Instituição-sede: Escola de Engenharia de Lorena (EEL). Universidade de São Paulo (USP). Lorena , SP, Brasil
Pesq. associados:Júlio César dos Santos ; Talita Martins Lacerda
Assunto(s):Nanopartículas poliméricas  Fluoruracila 

Resumo

Tendo em vista que a maioria dos agentes fotossensibilizadores e quimioterápicos são pouco solúveis em água, levando à sua rápida eliminação da corrente sanguínea, a encapsulação ou associação desses agentes com materiais adequados pode melhorar sua solubilidade e estabilidade in vivo. Assim, este projeto visa explorar nanopartículas poliméricas, capazes de combinar a terapia fotodinâmica (PDT) com a quimioterapia em um mesmo sistema de combate ao câncer. As nanopartículas são baseadas, principalmente, na pululana, um polímero natural produzido a partir do fungo Aureobasidium pullulans e aprovada pela FDA para uso na indústria farmacêutica e cosmética. Primeiramente, a pululana será parcialmente enxertada com poli(etilenoglicol), visto que materiais anfifílicos à base de PEG podem se auto agregar em meio aquoso, formando partículas com superfície furtiva, reduzindo o seureconhecimento pelo sistema reticulo-endotelial (RES) e prolongando o seu tempo de irculação in vivo. Em seguida, será feita a enxertia de cadeias de poli(lisina) na pululana via polimerização por abertura de anel, obtendo, assim, os copolímeros anfifílicos. Ácido retinóico (vitamina A) será incorporado nos polímeros, visto sua ação adicional como inibidor de crescimento de células cancerosas e transição de um estado hidrofóbico para hidrofílico decorrente de oxidação na presença de oxigênio singleto, podendo causar desestabilização de partículas constituídas dessa molécula. Outras moléculas poderão ser testadas com o mesmo propósito, dependendo da evolução do trabalho. A etapa seguinte consistirá no preparo de nanopartículas à base de pululana enxertada, através de um método típico de diálise, que também será utilizado para a encapsulação de um princípio ativo utilizado na terapia de câncer fluorouracila (5-FU) e um fotossenbilizador, protoporfirina IX (PPiX). A cinética de liberação in vitro do agente quimioterápico será cuidadosamente avaliada em fluidos que simulam o meio fisiológico. (AU)