Busca avançada
Ano de início
Entree

Material educativo lúdico para a realização da visita pré-operatória de enfermagem: construção, validação e aplicação clínica

Processo: 19/05294-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2019 - 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Enfermagem - Enfermagem Médico-cirúrgica
Pesquisador responsável:Marla Andréia Garcia de Avila
Beneficiário:Marla Andréia Garcia de Avila
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesq. associados: Patrícia Aparecida Francelino Crepalde ; Tatiane Roberta Fernandes Teixeira
Assunto(s):Crianças  Cirurgia  Cuidadores  Educação em saúde  Enfermagem perioperatória 

Resumo

Introdução: A avaliação pré-operatória do enfermeiro tem os seguintes propósitos: continuidade do cuidado entre a unidade de internação e o centro cirúrgico; a promoção e a recuperação da saúde; a adaptação da sala cirúrgica à necessidade do paciente; esclarecimentos e orientações em relação à cirurgia; interação e comunicação entre o paciente e enfermeiro e minimizar a ansiedade do paciente e de sua família. Considerando que as crianças não são acompanhadas pelos seus pais durante a cirurgia, a visita pré-operatória tem ainda o objetivo de preparar e encorajar a criança e seus familiares para a cirurgia. No planejamento da avaliação pré-operatória dos pacientes pediátricos faz-se necessário utilizar uma linguagem adequada, sendo o lúdico uma possibilidade. Objetivo: Desenvolver materiais educativos lúdicos com vistas a auxiliar a visita pré-operatória do enfermeiro. Elaborar e validar um livreto educativo lúdico sobre o perioperatório direcionado aos pacientes pediátricos. Analisar se a visita pré-operatória do enfermeiro utilizando o livreto educativo minimiza a ansiedade das crianças e seus pais no momento da entrada no centro cirúrgico. Transpor o conteúdo do material educativo em uma animação no formato tridimensional (3D). Método: O estudo será desenvolvido em três etapas. Um estudo metodológico para construção e validação de material educativo com a participarão de enfermeiros com experiência no ensino, pesquisa ou assistência na cirurgia infantil (centro cirúrgico ou pediatria) há pelo menos dois anos e pais e crianças cirúrgicas de 7 até 12 anos . Será realizada à validação do conteúdo pelos juízes (especialistas) e a aparência, também chamada de semântica, pelos pais. Será utilizado o Índice de validade de conteúdo (IVC) que mede a proporção ou porcentagem de juízes que estão em concordância. Este método emprega uma escala tipo Likert com pontuação de um a quatro. Será empregada uma pontuação de corte, o IVC igual a 0,78. Será utilizada uma amostra não probabilística, com aproximadamente 15 juízes e 15 familiares. Um ensaio clínico randomizado será realizado para verificar a ansiedade dos pais e ansiedade das crianças. Participarão crianças de 7 a 12 anos, estado físico ASA I e II, segundo a classificação da American Society of Anesthesiologists (ASA), a serem submetidas a procedimentos cirúrgicos eletivos com previsão de cirurgia de até 02 horas. Os Critérios de inclusão dos pais são: criança deve atender os critérios de inclusão, ter 18 anos ou mais, ser alfabetizado e comunicar-se verbalmente. Será aplicado primeiramente um questionário composto pela caracterização sociodemográfica das crianças e pais, conhecimento sobre cirurgia, escala Ansiedade de Halmilton - HAM-A para os pais e a Escala de ansiedade pré-operatória de Yale modificada para as crianças. Posteriormente será realizada a visita pré-operatória de enfermagem utilizando o material educativo construído e validado. Serão aplicados os instrumento HAM-A e a Escala de ansiedade pré-operatória de Yale modificada na véspera da cirurgia e no centro cirúrgico (antes da cirurgia). O cálculo amostral foi determinado em 30 crianças e seus respectivos pais. A terceira etapa será a realização de uma animação 3D. Resultados Esperados: Espera-se desenvolver e validar um material educativo impresso e digital de livre acesso e uma animação. Também que os materiais educativos possam ser incorporado na assistência de enfermagem aos pacientes pediátricos e subsidiar novos estudos. (AU)