Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da capacidade de regeneração hepática e sua relação com a via lin28/let-7 na prole de camundongos submetidos à dieta hiperlipídica durante a gestação e lactação

Processo: 19/03351-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2019 - 30 de junho de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Pesquisador responsável:Adriana Souza Torsoni
Beneficiário:Adriana Souza Torsoni
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Limeira , SP, Brasil
Pesq. associados:Marcio Alberto Torsoni
Assunto(s):Regeneração hepática  MicroRNAs  Obesidade 

Resumo

Nas últimas décadas, a obesidade e a síndrome metabólica têm se tornado cada vez mais prevalentes na população mundial. Recentemente têm sido evidenciadas as conseqüências da sobrecarga lipídica durante períodos críticos do desenvolvimento sobre o metabolismo da prole, por meio das alterações epigenéticas, contribuindo para o desenvolvimento de obesidade e suas complicações, como esteatose hepática. Dentre os mecanismos epigenéticos, a modulação de microRNAs tem ganhado destaque por sua ação direta em genes alvo, através da regulação pós-transcricional. A família de microRNAs let-7 foi uma das primeiras descritas e é conhecida por sua interação com proteínas envolvidas nos processos de desenvolvimento, proliferação e reparação tecidual, dentre elas LIN28. Para que a regeneração seja favorecida, e necessário que LIN28 tenha sua expressão aumentada, com consequente modulação negativa de let-7. Dados recentes de nosso laboratório demostram que o consumo de dieta hiperlipídica leva ao aumento na expressão hepática de let-7. A literatura mostra que a esteatose hepática pode ser um fator prejudicial para os processos de regeneração celular, e que a prole de mães obesas apresenta susceptibilidade ao desenvolvimento de doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA), o que poderia levar a um importante prejuízo no processo de regeneração tecidual. Tal fato é ainda mais preocupante quando se considera a possibilidade de progressão da DHGNA à cirrose ou hepatocarcinoma celular, que requerem algum tipo de ressecção do órgão. Dessa forma, o presente estudo tem o objetivo de avaliar a capacidade de regeneração hepática, tanto em animais obesos, quanto na prole de mães obesas após injúria mecânica, induzida por hepatectomia parcial (2/3PHx), buscando entender o papel da via let-7/LIN28 nesse processo e suas implicações para a sobrevida do indivíduo após cirurgia. (AU)