Busca avançada
Ano de início
Entree

Direcionamento de antígenos para células dendríticas como estratégia para melhorar a eficiência de imunoterapias contra tumores associados ao HPV-16

Processo: 18/26515-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2019 - 30 de junho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Luis Carlos de Souza Ferreira
Beneficiário:Luis Carlos de Souza Ferreira
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Ana Carolina Ramos Moreno ; Bruna Felício Milazzotto Maldonado Porchia Ribeiro ; Jose Alexandre Marzagão Barbuto ; Silvia Beatriz Boscardin
Assunto(s):Imunoterapia  Neoplasias do colo uterino  Biomedicina 

Resumo

O câncer cervical é o quarto tipo de câncer mais comum em mulheres no mundo. Apesar das formas de prevenção e dos tratamentos disponíveis, continua a ser um problema de saúde pública global. A busca, portanto, por novas abordagens terapêuticas é considerada uma necessidade mundial. O direcionamento de antígenos para células dendríticas (DCs) é um dos métodos mais efetivos para ativar respostas imunológicas antitumorais. Por outro lado, a fusão genética de antígenos tumorais a proteínas ou anticorpos monoclonais que reconheçam receptores de superfície em DCs pode melhorar a imunogenicidade de antígenos tumorais. O presente projeto de pesquisa pretende estudar estratégias experimentais que direcionem antígenos específicos para DCs como abordagem experimental para o controle terapêutico de tumores induzidos por vírus papiloma humano (HPV). Em particular, o presente projeto tem como principal objetivos avaliar os efeitos terapêuticos anti-tumorais de formulações baseadas na glicoproteína D (gD) do vírus herpes humano tipo 1 (HSV-1) ou o anticorpo monoclonal anti-DEC205 (mAb anti-DEC205), ambos fusionados à oncoproteína E7 de HPV-16, em DCs diferenciadas de medula óssea de camundongos (BM-DCs) e em DCs diferenciadas de monócitos humanos (Mo-DCs). Serão feitos ensaios de ligação da proteína recombinante gDE7 e do mAb anti-DEC205 em BM-DCs e em Mo-DCs, assim como a determinação da capacidade desses antígenos ativarem essas células. Além disso, este projeto pretende explorar imunoterapias baseadas em BM-DCs sensibilizadas in vitro com a gDE7 ou mAb anti-DEC205 em modelo murino de tumores associados ao HPV-16 (linhagem TC-1) e correlacionar os efeitos antitumorais com a ativação de respostas imunológicas específicas. Os resultados obtidos durante a execução deste projeto poderão contribuir para o desenvolvimento racional de estratégias imunoterapêuticas inéditas para o controle de tumores induzidos pelo HPV-16. (AU)