Busca avançada
Ano de início
Entree

Poder, conflito e liberdade: Espinosa e os percursos da Filosofia Política Moderna e Contemporânea acerca da democracia

Processo: 18/19880-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de agosto de 2019 - 31 de julho de 2024
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Filosofia - História da Filosofia
Pesquisador responsável:Marilena de Souza Chauí
Beneficiário:Marilena de Souza Chauí
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesquisadores principais:Alberto Ribeiro Gonçalves de Barros ; Luís César Guimarães Oliva ; Maria das Graças de Souza
Pesq. associados: Andre Scoralick ; Antônio Mário David Siqueira Ferreira ; Celi Hirata ; Douglas Ferreira Barros ; Fernando Dias Andrade ; Homero Silveira Santiago ; Luiz Damon Santos Moutinho ; Martha Gabrielly Coletto Costa ; Patricia Fontoura Aranovich ; Silvana de Souza Ramos ; Tessa Moura Lacerda
Bolsa(s) vinculada(s):19/27118-8 - A definição de erro como privação na filosofia de Espinosa, BP.MS
19/22352-2 - A questão da igualdade entre homens e mulheres em Marie de Gournay, BP.DR
19/07998-3 - O tempo e a história na Ciência Nova de Giambattista Vico, BP.DR
19/17635-5 - O papel da experiência proletária e a construção do conceito de sociedade em Claude Lefort, BP.IC
Assunto(s):Filosofia política  Filosofia moderna  Filosofia contemporânea  Democracia  Liberdade  Conflitos 

Resumo

Três momentos são decisivos na constituição da Filosofia Política: aquele que Moses Finley denominou com a expressão "a invenção da política" para se referir ao nascimento da democracia grega e da república romana; aquele definido com Maquiavel a partir da divisão originária da sociedade entre o desejo dos grandes de oprimir e comandar e o do povo de não ser oprimido nem comandado; e aquele que, com Espinosa, marcou a ideia moderna de democracia como poder imanente à multitudo ou potência coletiva de criação e expressão de direitos. Esses três momentos abrem o campo da história da invenção da república e da democracia como exercício da liberdade e invenção dos direitos, a política se efetuando como passagem da lógica da força à lógica do poder, isto é, da guerra à legitimidade do conflito sob as leis. Desses três momentos fundadores, tomaremos como eixo a concepção moderna de origem espinosana. Por intermédio dela, serão examinadas, de um lado, o significado político do surgimento das ideias modernas de indivíduo e direito natural/civil, e, de outro lado, as continuidades e rupturas no pensamento político trazidas pela Filosofia Contemporânea - ou seja, o desenvolvimento das ideias de luta de classes, de Estado, de poder e de violência. Julgamos que é possível encontrar aí uma tradição no interior da qual o pensamento político de Espinosa ganha nova luz, tradição desenhada por autores contemporâneos que, assim como Espinosa, preocupados em balizar a instância legítima do conflito, buscaram apoio nos antigos e em Maquiavel para compreender a participação política dos cidadãos sob a égide da luta pela garantia e pela conquista de novos direitos, tendo por referência a defesa da liberdade de dissenso. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Pós-doutorado em filosofia na FFLCH-USP