Busca avançada
Ano de início
Entree

Relação entre ambiente e bactérias magnetotáticas

Processo: 18/17061-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais - Regular
Vigência: 01 de maio de 2019 - 30 de abril de 2021
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Geológica
Pesquisador responsável:Luigi Jovane
Beneficiário:Luigi Jovane
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Fernanda de Avila Abreu ; Vivian Helena Pellizari
Assunto(s):Metano  Paleomagnetismo 

Resumo

Este projeto visa entender, através das propriedades magnéticas dos sedimentos, as várias condições ambientais dos micro-ecossistemas bentônicos na base da presença de bactérias magnetotáticas. Com mais detalho aos diferentes materiais, esse projeto tem como objetivos de entender se existe uma relação entre a presença de bactéria magnetotáticas nos sedimentos recentes e antigos e algumas características ambientais especificas. Neste sentido, este projeto visa obter um registro sedimentar de alta resolução em áreas da plataforma continental,e fundos oceânicos que apresentam altos índices de produção primária atual (zona de ressurgência), e analisar, sob um enfoque de indicadores múltiplos (multi-proxies) a variabilidade da produtividade biológica. Entre estas existem uma grande quantidade de parâmetros oceanográficos (oxigeno, nutrientes e metano) relacionados as massas de agua e a química destas nas variações durante o dia e durante o ano. Em relação a isso, juntamente as análises paleomagnéticas existe uma série de análises acessórias multidisciplinares (elementos, minerais, associações de microfosseis) que precisam ser acopladas para entender a causas da presença das bactérias magnetotáticas em sedimentos recentes. Em relação ao isolamento de bactérias recentes é fundamental (1) detectar bactérias magnetotáticas em amostras de água e sedimento; (2) analisar a morfologia e diversidade filogenética das bactérias magnetotáticas; (3) isolar microrganismos magnetotáticos usando meios de cultura específicos; (4) caracterizar os microrganismos magnetotáticos com microscopia eletrônica com interesse especial no tamanho, forma e composição de seus magnetossomos. Os resultados esperados neste projeto são (1) obter dados para construir as bases para a identificação das varias populações de bactérias magnetotáticas, e (2) compreender a variabilidade ambiental atual que pode ser de fundamental importância para o entendimento das variações paleoceanográficas e paleoclimáticas do passado. Isso será alcançado através o estudado de diferentes testemunhos e amostras de sedimento tanto de diferentes áreas tanto de diferentes períodos. (AU)