Busca avançada
Ano de início
Entree

Anemia ferropriva refratária e persistente após cirurgia bariátrica - investigação das mutações 1285g-c e 1246c-t no gene slc11a2

Processo: 18/22750-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2019 - 30 de junho de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Vânia Belintani Piatto
Beneficiário:Vânia Belintani Piatto
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP). Secretaria de Desenvolvimento Econômico (São Paulo - Estado). São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Anemia refratária  Medicina bariátrica  Anemia ferropriva  Medicina molecular  Terapia nutricional  Distúrbios do metabolismo do ferro 

Resumo

A pandemia mundial da obesidade acarreta implicações psicológicas, sanitárias e socioeconômicas alarmantes. O tratamento cirúrgico da obesidade tem se consagrado como a principal alternativa para controle do peso, sendo a derivação gástrica em Y de Roux uma das técnicas mais difundidas. Mas, o seguimento clínico pós-cirurgia bariátrica tem demonstrado uma tendência a alterações hematológicas, especialmente a anemia crônica, e nutricionais. Embora a deficiência de ferro seja uma causa proeminente de anemia em pacientes obesos após cirurgia bariátrica, ela não é responsável em todos os casos. Se a anemia for persistente e não responder à terapia de suplementação de ferro, deficiências adicionais de micronutrientes e outras origens da anemia devem ser consideradas, pela investigação complementar dos níveis séricos de ácido fólico, vitaminas B12, A e E, zinco e cobre. Como ainda há um significante número de anemias que permanecem inexplicadas após a cirurgia, deve-se considerar a hipótese de alterações genéticas envolvidas no metabolismo do ferro, procedendo-se à investigação molecular, quando possível, além dos parâmetros hematológicos e metabólicos. Sendo assim, dentre as mutações identificadas no gene SLC11A2, que codifica a proteína DMT-1, duas foram mais associadas com quadro clínico de anemia hipocrômica microcítica, de causa genética, por alterações na conformação protéica. Portanto, o objetivo é a investigação a associação das mutações 1285G-C e 1246C-T, no gene SLC11A2, e a etiopatogênese da anemia persistente e refratária à suplementação de ferro em pacientes de ambos os sexos, na faixa etária de 16 a 65 anos, submetidos à cirurgia bariátrica por derivação gástrica em Y de Roux, no período de 2010 a 2017, e que estão em seguimento clínico há mais de um ano. (AU)