Busca avançada
Ano de início
Entree

Inovação nos acidentes ofídicos: a prova de conceito para o desenvolvimento de um kit diagnóstico rápido

Processo: 18/15446-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de julho de 2019 - 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Laudicéia Alves de Oliveira
Beneficiário:Laudicéia Alves de Oliveira
Empresa:Paulo Daniel Leite Pesquisa e Desenvolvimento
CNAE: Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais
Atividades de serviços de complementação diagnóstica e terapêutica
Município: Botucatu
Pesq. associados:Benedito Barraviera ; Lucilene Delazari dos Santos ; Rui Seabra Ferreira Junior
Bolsa(s) vinculada(s):19/14647-2 - Utilização de espectrometria de massas na identificação e caracterização de anticorpos para produção de um kit diagnóstico rápido, BP.TT
19/14690-5 - Cromatografia de imunoafinidade como estratégia na obtenção de anticorpos específicos antiveneno, BP.TT
19/14668-0 - Ensaios imunoenzimáticos na padronização do desenvolvimento de um kit diagnóstico rápido utilizado na otimização do diagnóstico de picadas de serpentes, BP.TT
Assunto(s):Venenos de serpentes  Antivenenos 

Resumo

Em 2017 a Organização Mundial de Saúde (OMS) reintroduziu os acidentes ofídicos na lista das doenças tropicais negligenciadas. Esta decisão baseou-se no fato de que anualmente morrem mais de 100.000 pessoas e mais de 400.000 que sobrevivem permanecem com sequelas permanentes. No Brasil o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) recebeu em 2017 cerca de 224.590 notificações de acidentes por animais peçonhentos com 439 óbitos. Destes 30.367 foram causados por serpentes peçonhentas com 111 óbitos. Entre os gêneros causadores dos acidentes temos: 71.41% Bothrops, 7,03% Crotalus, 3,0% Lachesis e 0,78% Micrurus. A maioria dos acometidos desconhecem o animal agressor, ou não o trazem para a consulta médica, dificultando assim o diagnóstico correto pelo profissional de saúde. Para piorar isto, muitas das Escolas Médicas brasileiras não ensinam o tema "acidentes por animais peçonhentos" aos seus alunos. Por outro lado, até o presente momento, inexiste disponível um dispositivo diagnóstico laboratorial rápido passível de ser utilizado no Pronto Socorro dos Hospitais. Neste caso, o médico utiliza do diagnóstico clínico para tratar o paciente. Ocorre que não é possível se diferenciar os acidentes botrópicos dos laquéticos, que se sobrepõe na região Amazônica e mata Atlântica; nem os crotálicos dos elapídicos, uma vez que os quadros clínicos são muito semelhantes. No primeiro caso o médico tratará o indivíduo acidentado com soro botrópico-laquético, quando disponível. No segundo caso, ou se aguarda o desenvolvimento dos sintomas e os resultados dos exames laboratoriais subsidiários, ou se trata com os dois soros específicos, a saber: crotálico e elapídico. Esta conduta, em que pese seja salvadora para o indivíduo acidentado encarece sobremaneira o Sistema Único de Saúde (SUS), distribuidor exclusivo e patrocinador destes antivenenos para todo Brasil. Tendo em vista este cenário o desenvolvimento tecnológico de um dispositivo diagnostico rápido é relevante para o país pois facilitará o diagnóstico do gênero de serpente causadora do acidente permitindo, assim, o diagnóstico correto do agente etiológico, indicando-se, portanto, o tratamento específico. Na presente proposta de pesquisa inovativa para o desenvolvimento deste dispositivo, propõem-se isolar anticorpos específicos dos soros heterólogos antibotrópico, anticrotálico, antielapídico e antilaquético produzidos pelos Institutos soroprodutores contra os venenos de referência das serpentes Bothrops jararaca, Crotalus durissus terrificus, Micrurus frontalis e Lachesis muta muta. Esta etapa experimental dar-se-á por meio do desenvolvimento de plataformas cromatográficas utilizando-se os venenos das respectivas serpentes como ligantes específicos. Uma vez isolados estes anticorpos, ensaios imunoenzimáticos de fase sólida (ELISA) serão realizados utilizando-se o sangue de indivíduos acidentados por serpentes antes, durante e após o tratamento com os soros específicos, a fim de se quantificar o nível de veneno circulante e avaliar a reatividade cruzada entre estes anticorpos frente aos venenos referência. O controle de qualidade será realizado por meio de análises de espectrometria de massas. Ao final desta proposta de prova de conceito, espera-se que os resultados obtidos forneçam dados técnicos-científicos no que se refere a limiares de sensibilidade e especificidade, promovam o desenvolvimento de um dispositivo portátil para distinguir entre os diferentes acidentes ofídicos brasileiros. Este dispositivo diagnóstico é inédito no mercado nacional e não necessitará de energia elétrica, bateria ou reagentes químicos e nem de estocagem sob refrigeração. Tendo em vista que a tecnologia que será desenvolvida poderá ser transferida internacionalmente, esta proposta causará um impacto positivo financeiramente na empresa que se pretende se constituir, frente aos dados de notificações de acidentes ofídicos no Brasil e no mundo, anualmente. (AU)