Busca avançada
Ano de início
Entree

Proteínas recombinantes da merozoite surface protein 1 de Plasmodium malariae (PmMSP1): teste de imunogenicidade no modelo BALB/c e uso potencial como ferramenta de diagnóstico

Processo: 19/14605-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de agosto de 2019 - 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Karin Kirchgatter Hildebrand
Beneficiário:Karin Kirchgatter Hildebrand
Instituição-sede: Superintendência de Controle de Endemias (SUCEN). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/04559-0 - Análise do relacionamento filogeográfico e imunológico de Plasmodium malariae e Plasmodium brasilianum, AP.R
Assunto(s):Imunologia  Imunização  Plasmodium malariae  Proteínas recombinantes  Malária 

Resumo

Plasmodium malariae é a terceira espécie humana que mais provoca malária e tem uma distribuição desigual, mas ampla no mundo. Os seres humanos podem hospedar o parasita por anos sem apresentar sintomas significativos, transformando seu diagnóstico e controle uma tarefa difícil. Aqui, nós investigamos a imunogenicidade de proteínas recombinantes da MSP1 de P. malariae (PmMSP1).Métodos: Cinco regiões de PmMSP1 foram expressas em Escherichia coli como proteínas de fusão a GST e imunizadas em camundongos BALB/c. Especificidade, subtipo e afinidade dos anticorpos produzidos foram avaliados por ensaios imunoenzimáticos. Respostas imunes celulares foram analisadas por ensaios de linfoproliferação e níveis de citocinasproduzidos por esplenócitos foram detectados por citometria.Resultados: Descobrimos que as regiões central, N-terminal e a PmMSP119 são fortemente imunogênicas em camundongos. Após três doses, a resposta imune induzida permaneceu alta por 70 dias. Enquanto os anticorpos induzidos após imunização com as regiões N-terminal e central mostraram afinidades semelhantes aos antígenos alvo, as afinidades de IgG contra PmMSP119 foram maiores. Todas as proteínas induziram padrões semelhantes de subclasses de anticorpos (predominantemente IgG1, IgG2a e IgG2b), caracterizando uma resposta mista Th1/Th2.Além disso, a estimulação autóloga de esplenócitos de camundongos imunizados levou à secreção de IL2 e IL4, independentemente do antígeno utilizado. É importante ressaltar que IgG de indivíduos expostos ao P. malariae reagiram contra proteínas recombinantes de PmMSP1 com alta especificidade. Por outro lado, soros de indivíduos infectados com P. vivax ou P. falciparum não reagiram contra todas as proteínas PmMSP1 recombinantes.Conclusão: As proteínas recombinantes PmMSP1 são marcadores diagnósticos muito úteis de P. malariae em estudos epidemiológicos ou no diagnóstico diferencial da malária causada por esta espécie. A imunização com proteínas PmMSP1 recombinantes resultou em uma resposta imune humoral significativa, o que pode torná-las potenciais candidatas a uma vacina contra P. malariae. (AU)