Busca avançada
Ano de início
Entree

Comparação da comunidade bacteriana endofítica específica em diferentes estágios de desenvolvimento de Passiflora incarnata usando análises dependente e independente de cultura

Processo: 19/13433-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de agosto de 2019 - 31 de janeiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Pesquisador responsável:Fabiana Fantinatti Garboggini
Beneficiário:Fabiana Fantinatti Garboggini
Instituição-sede: Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Paulínia , SP, Brasil
Assunto(s):Ecologia microbiana  Ecologia dos micro-organismos  Diversidade 

Resumo

Plantas e microrganismos endofíticos têm co-evoluído em relações únicas ao longo de muitas gerações. As plantas apresentam um estado fisiológico específico em cada fase de desenvolvimento, o que pode determinar a ocorrência e dominância de populações endofíticas específicas com um papel ecológico pré-determinado. Este estudo objetivou comparar e determinar a estrutura e composição de comunidades endofíticas bacterianas cultiváveis e não cultiváveis nos estádios vegetativo e reprodutivo de Passiflora incarnata. Para esse fim, as comunidades endofíticas foram avaliadas por plaqueamento e sequenciamento do gene 16S rRNA baseado na plataforma Illumina. 204 cepas bacterianas cultiváveis foram isoladas com sucesso. A partir do estádio reprodutivo da planta, as cepas isoladas foram identificadas principalmente como pertencentes aos gêneros Sphingomonas, Curtobacterium e Methylobacterium, enquanto Bacillus foi o gênero dominante isolado do estágio vegetativo. De um total de 133.399 sequências obtidas a partir do sequenciamento baseado em Illumina, um subconjunto de 25.092 foi classificado em unidades de taxonomia operacional (OTUs). 416 OTUs foram obtidas do estágio vegetativo e 66 do estágio reprodutivo. No estágio vegetativo, as famílias mais abundantes foram Pseudoalteromonadaceae e Alyciclobacillaceae, enquanto no estágio reprodutivo, Enterobacteriaceae e Bacillaceae foram as famílias mais abundantes. A abundância exclusiva de populações bacterianas específicas para cada estágio de desenvolvimento sugere que as plantas podem modular a estrutura bacteriana da comunidade endofítica em resposta a diferentes estados fisiológicos que ocorrem nos diferentes estágios de desenvolvimento da planta. (AU)