Busca avançada
Ano de início
Entree

Inativação dos genes lytST e dltAD de Streptococcus mutans diminui a virulência desta espécie in vivo

Processo: 19/15982-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de setembro de 2019 - 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Clínica Odontológica
Pesquisador responsável:Marlise Inêz Klein Furlan
Beneficiário:Marlise Inêz Klein Furlan
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/05423-0 - Função de DNA extracelular e de ácidos lipoteicóicos na matriz extracelular de biofilmes cariogênicos, AP.JP
Assunto(s):Exopolissacarídeos  Cárie dentária  Estresse oxidativo  Microbiologia oral 

Resumo

Introdução: Streptococcus mutans orquestra o desenvolvimento de biofilme que causa a cárie na presença de sacarose da dieta e em caso de bacteremia pode causar infecções sistêmicas. O desenvolvimento de um biofilme cariogênico depende da formação de uma matriz extracelular rica em exopolissacarídeos; esta matriz também contém DNA (eDNA) e ácidos lipoteicóicos (ALTs) extracelulares. Enquanto os exopolissacarídeos são determinantes de virulência, não está claro qual é o envolvimento de genes associados ao metabolismo de eDNA e ALTs na patogenicidade de S. mutans. Objetivos e desenho experimental: Neste estudo a cepa parental S. mutans UA159 e as suas cepas derivadas com deleção única de genes foram usadas para investigar o papel de eDNA (”lytS e ”lytT), ALTs (”dltA e ”dltD) e exopolissacarídeos insolúveis (”gtfB) na virulência em modelo animal de cárie (ratas) e em modelo de infecção sistêmica (Galleria mellonella larvae). Resultados: Houve menor número de lesões de cárie nas superfícies lisas e sulcais de esmalte e dentina de ratas colonizadas por lytS, dltD, e ”gtfB (vs. cepa parental). Ainda, as cepas com deleções de genes preveniram a morte de larvas (vs. cepa parental). Conclusões: Em resumo, esses achados indicam que a inativação lytST e dltAD diminuíram a cariogenicidade e a virulência in vivo de S. mutans. (AU)