Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da modulação de vias de sobrevivência celular pelo Receptor B2 da bradicinina e seu impacto na neuroinflamação, em cultura organotípica de hipocampo de camundongo transgênico para a Doença de Alzheimer

Processo: 19/03486-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2019 - 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Hudson de Sousa Buck
Beneficiário:Hudson de Sousa Buck
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho. São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Tânia Araújo Viel
Assunto(s):Doença de Alzheimer  Neurologia  Neuroproteção  Bradicinina 

Resumo

O sistema calicreína-cinina tem sido associado à inflamação e respostas imunogênicas nos sistemas nervoso e periférico pela ativação de dois receptores, o receptor B1 e B2. O receptor B1 está ausente ou pouco expresso em condições fisiológicas, sua superexpressão se dá quando ocorre uma lesão tecidual ou na presença de citosinas. Já o receptor B2 tem expressão constitutiva e medeia a maioria dos efeitos biológicos das cininas. A doença de Alzheimer é caracterizada pelo declínio cognitivo, presença de agregados do peptídeo beta amiloide (A2) e emaranhados neurofibrilares formados pela hiperfosforilação da proteína Tau. Recentemente o grupo do Drº Hudson Buck observou um aumento de bradicinina (BK) no fluido cerebroespinhal e aumento da densidade de ligações para os receptores B1 e B2 em áreas relacionadas à memória, após a infusão crônica de beta amiloide em ratos, no qual foi acompanhado de prejuízo da memória e perda neuronal. O comprometimento da memória também foi observado em camundongos C57BL/6 submetidos à infusão crônica de beta amiloide (A²), já os camundongos C57BL/6 com deleção gênica para o receptor B1 (KOB1) ou para o receptor B2 (KOB2) apresentaram respostas diferentes. Nos camundongos KOB2 a infusão crônica de beta amiloide acelerou o déficit cognitivo, já nos animais KOB1 não foi observada nenhuma alteração. Também foi observado aumento de sinapses nos animais KOB1 infundidos com beta amiloide e deposito de beta amiloide nos animais KOB2. A preservação da memória observada nos animais KOB1 que receberam beta amiloide pode ser devido ao aumento da densidade do receptor B2 e ao aumento de sinapses sugerindo assim, um papel neuroprotetor do receptor B2. Além disso, o aumento das placas de beta amiloide nos animais KOB2 infundidos com beta amiloide reforça a hipótese do papel neuroprotetor do receptor B2 e que o mesmo pode estar envolvido na degradação de A² "in vivo". Portanto, o objetivo desse trabalho é avaliar a participação dos receptores de cinina B1 e B2 na Doença de Alzheimer utilizando cultura organotípica de hipocampo de camundongos transgênicos que apresentam superexpressão da proteína precursora de beta amiloide (APP) e também nos animais KOB1 e KOB2. As fatias serão tratadas com agonista e antagonista seletivo para B2 e antagonista para B1, todos resistentes a degradação. Marcadores neuroinflamatórios, plasticidade neural e sináptica, colocalização celular e subcelular do receptor B2 e B1 também serão avaliados. Estes dados irão contribuir para melhor entendimento farmacológico e neuroanatomico da doença de Alzheimer assim como o papel dos receptores de cinina B1 e B2. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.