Busca avançada
Ano de início
Entree

Integração entre hospital terciário e Unidades Básicas de Saúde: projeto real: redesenhando a alta hospitalar

Processo: 19/03796-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa em Políticas Públicas
Vigência: 01 de setembro de 2019 - 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Convênio/Acordo: CNPq - PPSUS
Pesquisador responsável:Erika Veruska Paiva Ortolan
Beneficiário:Erika Veruska Paiva Ortolan
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/21863-3 - Integração entre hospital terciário e Unidades Básicas de Saúde: projeto real: redesenhando a alta hospitalar, BP.TT

Resumo

Introdução: A readmissão hospitalar prevenível gera custos ao Sistema Único de Saúde (SUS), além de causar sofrimento social ao paciente. A Taxa de Readmissão tem sido usado como indicador para planejamento em saúde na gerência de planos privados de saúde e em sistemas de saúde internacionais. Seguindoa proposta do SUS da hierarquização da assistência, a integração otimizada das equipes de assistência poderá diminuir as readmissões. Objetivos: Este projeto propõe a aplicação da sistematização de transição do cuidado dos pacientes internados em hospitais terciários do SUS para as Unidades Básicas no momento da alta como ferramenta de otimização da integração hierarquizada. Métodos: Pacientes de alta do HCFMB serão randomizados para dois grupos. Os pacientes e familiares do Grupo Intervenção receberão orientações nos momentos de pré-alta e na alta, com informações em formato de protocolos padronizados a respeito da sua patologia e de sinais de alerta. Haverá checagem das informações recebidas e compreendidas pelo paciente ou familiar, além do atendimento aos retornos agendados na UBS, uso correta da medicação e das demais orientações no seguimento. O Grupo Controle de pacientes passará pelo procedimento de alta atual, sem orientações protocoladas, e sem seguimento integrado da assistência nas UBS. Todos os pacientes serão acompanhados por um período de 6 meses após a alta hospitalar. Serão comparados absenteísmo a consultas agendadas, número de visitas não agendadas a serviços de saúde e a taxa de reinternações. Será avaliado o impacto sobre cada desfecho para cada medida adotada. (AU)