Busca avançada
Ano de início
Entree

Fatores associados a distúrbios da pressão arterial em crianças e adolescentes afrodescendentes

Processo: 19/17245-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de outubro de 2019 - 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Pesquisador responsável:Fernando Adami
Beneficiário:Fernando Adami
Instituição-sede: Centro Universitário Saúde ABC. Fundação do ABC. Santo André , SP, Brasil
Assunto(s):Atividade física  Pressão sanguínea 

Resumo

Introdução: A hipertensão arterial (HA) é uma doença emergente que que aumentou rapidamente nas últimas décadas em todo o mundo. O aumento da pressão arterial são observados com o crescimento e desenvolvimento e apesar da manifestação da doença ser rara na infância e adolescência, a prevalência está aumentando, sendo provável que as causas sejam de diferentes combinações de fatores. A (HA) entre afrodescendentes tem sido consistentemente observada em muitas populações, incluindo o Brasil, que tem a maior população de descendentes africanos fora da África, mas com escassos dados sobre a doença em crianças e adolescents. Neste estudo, apuramos distúrbios da pressão arterial em crianças e adolescents de populações "quilombolas" do Tocantins, norte do Brasil e também determinamos sua associação com alguns fatores como consume alimentar, composição corporal, medidas antropométricas e dados bioquímicos. Methodos: Realizamos um estudo transversal com 67 crianças de 10 a 17 anos, comparando as variáveis estudadas entre os grupos normotenso e não normotenso, utilizando o teste qui-quadrado para variáveis qualitativas e os testes apropriados, de acordo com a aderência aos dados. Distribuição gaussiana para as variáveis quantitativas. A hipertensão arterial foi definida como pressão arterial sistólica ou diastólica média e 90 percentil para idade, altura, sexo. Resultados: A taxa de adolescentes com distúrbios da pressão arterial foi de 19,4% (pré-hipertensão de 14,9% e hipertensão de 4,5%). Não houve diferenças significativas entre os sexos para pressão alta. Na análise de regressão de Poisson, o alto percentual de gordura esteve associado à elevação da pressão arterial (p = 0,021) para os adolescentes. Associações semelhantes foram observadas para não-HDL-c (p <0,001) e baixa ingestão de cálcio (p = 0,015). Conclusão: A maioria das crianças e adolescents das comunidades "quilombolas" tinha pressão arterial normal. No entanto, os níveis mais elevados de dislipidemia e o baixo consumo de cálcio são fatores associados à pré-hipertensão na população estudada com PA elevada. (AU)