Busca avançada
Ano de início
Entree

Desafios da Velhice: Políticas Públicas, Gênero e Relações entre Gerações.

Processo: 19/09742-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2019 - 30 de setembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia - Antropologia Urbana
Pesquisador responsável:Guita Grin Debert
Beneficiário:Guita Grin Debert
Instituição-sede: Núcleo de Estudos de Gênero (PAGU). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados: JORGEMAR SOARES FELIX
Bolsa(s) vinculada(s):19/24342-4 - Desafios da velhice: políticas públicas, gênero e relações entre gerações, BP.TT
Assunto(s):Envelhecimento  Velhice  Gênero  Cuidado 

Resumo

O objetivo do projeto é oferecer elementos para a reflexão sobre os significados que ganha a relação entre gênero e envelhecimento no mundo contemporâneo, levando em conta sua inserção em duas redes de relações: a rede envolvida nas políticas implementadas pelo poder executivo e nas propostas que têm sido geradas pelos conselhos de direitos dos idosos; a rede de soluções que têm sido criadas no âmbito das famílias ou de grupos de idosos, de modo a enfrentar os desafios do envelhecimento, particularmente nas fases mais avançadas da velhice. Tendo como base uma metodologia qualitativa, serão explorados diversos tipos de materiais textuais e etnográficos relacionados com as seguintes questões: as políticas públicas voltadas para o idoso; os conselhos do direito do idoso; e as leis que regulamentam a profissão de cuidador. Interessa identificar qual é o idoso alvo dessas ações, como suas necessidades, deveres e obrigações são definidos, bem como os de seus familiares e de seus cuidadores profissionais. A hipótese é a de que uma das maiores barreiras na definição de políticas públicas tem a ver com a suposição de que é o desejo de todo idoso ser cuidado pela família. Esse pressuposto, típico dos países em que as políticas públicas são diminutas, tende a reduzir a ação pública à criação de estímulos para que a família - e, nesse caso, sobretudo a mulher -, arque com o que passa a ser tido como sua função natural. Interessa, portanto, entender como as famílias reagem a esses estímulos e comparar o caso brasileiro com outros contextos nacionais em que a crença na disponibilidade da família para o cuidado está menos presente. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
La economía del cuidar 
Economia do cuidado