Busca avançada
Ano de início
Entree

Tradução de textos ideologicamente marcados: um trabalho de corpo e mente

Processo: 19/09310-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2019 - 31 de dezembro de 2021
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Linguística - Linguística Aplicada
Pesquisador responsável:Erica Luciene Alves de Lima
Beneficiário:Erica Luciene Alves de Lima
Instituição-sede: Instituto de Estudos da Linguagem (IEL). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Corporeidade  Subjetividade  Tradução  Neutralidade  Ética 

Resumo

O projeto tem por objetivo analisar as narrativas de tradutores sobre suas ações e reações durante e depois de realizarem a tradução de textos ideologicamente marcados, a fim de apresentar algumas contribuições para a área de Estudos da Tradução, em geral, e para a formação de tradutores e de formadores de tradutores, em particular. Por meio de uma abordagem etnográfica nas redes sociais, coletaremos dados (postagens, e-mails e entrevistas) em dois grupos brasileiros de tradutores profissionais e uma organização de tradutores voluntários (Translation Without Borders) sobre traduções de temas como holocausto, questões de gênero, doenças terminais, imigração, entre outros, cujas escolhas tradutórias envolveram crenças, valores, princípios profissionais e éticos eminentes. A seleção de dados deve priorizar experiências de tradução que influenciaram tanto conhecimento que os tradutores têm do mundo quanto de si mesmos, e os impactos dessas experiências em sua vida profissional e pessoal. O ponto de partida da pesquisa é a premissa de que, embora os tradutores geralmente afirmem que as traduções são feitas de maneira "ética, profissional e neutra", o processo tradutório é bastante complexo e envolve aspectos emocionais e até físicos. Nesse sentido, propõe-se estudar os impactos que a tradução tem no corpo e na mente, um tema muitas vezes preterido, dada a ênfase em questões relativas ao resultado do processo tradutório, ou seja, ao texto traduzido, e não às questões que levaram à tradução e suas consequências. A reflexão sobre a corporeidade, identidade, subjetividade e os efeitos e tensões resultantes do embate diário com textos marcadamente ideológicos pode ser vista como primordial para compreender as múltiplas facetas do sujeito tradutor. Dessa forma, propõe-se estudar, nas narrativas e postagens, questões ligadas à linguagem e emoção (Rajagopalan, 2004; 2008); subjetividade do tradutor (Frota, 1999; 2000); corporeidade (Pinto, 2002; 2009); ética (Tymoczko, 2006; Venuti, 1995; 2002; 2010) e trauma vicário (Lor, 2012). Além disso, pretende-se fazer um entrelaçamento dessas noções com uma gama de outros conceitos filosóficos que auxiliam na compreensão do papel do tradutor, tais como contra-assinatura, hospitalidade e hostipitalidade (Derrida, 1990; 1991;1997; 2002). O trabalho espera desencadear discussões importantes para iniciantes, profissionais e para a formação dos tradutores, uma vez que traz aspectos ainda pouco abordados na área. (AU)