Busca avançada
Ano de início
Entree

Vigilância epidemiológica da infecção por Francisella noatunensis subsp. orientalis em tilapiculturas do Estado de São Paulo e sua aplicação no desenho de vacinas

Processo: 19/02339-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de outubro de 2019 - 30 de setembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Pesquisador responsável:Julieta Rodini Engracia de Moraes
Beneficiário:Julieta Rodini Engracia de Moraes
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Pesq. associados:Diogo Teruo Hashimoto ; Esteban Soto ; Jefferson Yunis Aguinaga
Bolsa(s) vinculada(s):19/24586-0 - Caracterização da virulência de cepas de Francisella noatunensis subsp. orientalis do Estado de São Paulo, BP.TT
Assunto(s):Vacinação  Epidemiologia  Resposta imune  Tilápia 

Resumo

A tilápia é a espécie mais consolidada e de maior crescimento na piscicultura brasileira, porém as doenças infecciosas representam grandes entraves à produção. Atualmente, Francisella noatunensis subsp. orientalis (Fno) é um dos principais patógenos na tilapicultura brasileira, induzindo alta mortalidade durante a época fria. Porém, os estudos referentes à Fno são escassos no mundo inteiro, incluindo o Brasil, onde apenas foi isolada por primeira vez no ano 2012, e não existem vacinas comerciais ou experimentais em fase clínica contra o patógeno. Pelo exposto, resulta imperativo desenvolver maiores estudos epidemiológicos e vacinais envolvendo a Fno. A presente proposta objetiva estabelecer um esquema de vigilância epidemiológica da infecção por Fno em pisciculturas intensivas de tilápia-do-nilo, Oreochromis niloticus, no Estado de São Paulo (SP), com foco no isolamento de diferentes estirpes bacterianas, sua caracterização e uso posterior na elaboração de vacinas utilizando diferentes metodologias de preparação de antígenos. Resumidamente, serão amostrados animais com sinais de processo infeccioso de 20 pisciculturas para detecção de Fno através de isolamento bacteriológico e PCR direto de tecidos. Os isolados serão confirmados por testes bioquímicos, PCR convencional e sequenciamento, e submetidos a genotipagem. A virulência será determinada mediante desafios experimentais, com ulterior avaliação da sobrevida e lesões histopatológicas. Segundo o tipo de vacina (viva ou não) as estirpes menos e mais virulentos de cada genótipo caracterizado serão utilizadas como antígenos vacinais. Quatro métodos de preparação de imunógenos serão testados (bactéria total inativada, vesículas de membrana externa, e bactéria atenuada resistente à rifampicina ou não). A segurança e eficácia vacinal será avaliada por meio da dosagem de anticorpos IgM anti-Fno 28 dias pós-vacinação (prévia ao desafio), da percentagem relativa de sobrevivência (PRS) e análise de sobrevida (prévio ao desafio e pós-desafio), lesões histopatológicas (prévio ao desafio e pós-desafio), imunhistoquímica anti-caspase 3 (prévio ao desafio e pós-desafio) e re-isolamento da bactéria (prévio ao desafio, durante e pós-desafio). O projeto expandirá os conhecimentos epidemiológicos deste patógeno no segundo estado produtor de tilápias do país e permitirá aprofundar os estudos sobre vacinação de tilápias no Brasil. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Treinamento técnico em aquicultura com bolsa da FAPESP