Busca avançada
Ano de início
Entree

Como a luz azul modula a germinação de sementes em tomateiro?

Processo: 18/20748-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2019 - 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Pesquisador responsável:Rogério Falleiros Carvalho
Beneficiário:Rogério Falleiros Carvalho
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Crescimento e desenvolvimento  Tomateiro  Germinação de sementes  Mutantes 

Resumo

Embora há muito tempo seja evidente a importância da luz no controle da germinação de sementes de muitas espécies, o controle dessa resposta pelos comprimentos de onda da luz azul (LA) ainda necessita muito ser explorado. Isso ocorre porque diferentes trabalhos mostram que a LA permite induzir ou inibir a germinação, mas por meio de diferentes irradiâncias. Dessa forma, visto que a LA age por meio de fotorreceptores, as variações de respostas durante a germinação de sementes levantam questões sobre como a LA age por meio dessas moléculas de modo dependente da qualidade da luz. Essa questão pode ser expandida se considerados os criptocromos, os quais têm recebido bastante atenção no que diz respeito aos mecanismos bioquímicos e moleculares pelos quais esses fotorreceptores da LA agem durante a germinação. Por exemplo, os criptocromos fortemente modulam a germinação por meio de interação com ácido abscísico e giberelinas, fatores que classicamente inibem e induzem, respectivamente, a germinação de sementes. Até o presente, tem sido mostrado, especialmente em grãos de sevada, que os criptocromos inibem a germinação por meio de indução do ABA. Entretanto, os mecanismos pelos quais os criptocromos agem durante a germinação de sementes ainda são bastante elusivos se considerados: (I) a ação indutora e inibidora da LA, (II) os diferentes modos de controle da germinação por meio de diferentes irradiâncias da LA e (III) os modos de respostas a AL em diferentes espécies. Considerando sementes de importantes espécies, tais como o tomateiro, uma das hortaliças mais importantes do mundo, são praticamente nulas as informações sobre o efeito da LA na germinação. Poucas evidências mostram que nessa espécie a LA pode inibir ou induzir a germinação, mas se os criptocromos são parte dessas respostas, nada é sabido. Dessa forma, o objetivo da presente proposta concentra-se em estudar a sinalização da LA por meio dos criptocromos na germinação de sementes de tomateiro. (AU)