Busca avançada
Ano de início
Entree

Metalofármacos direcionados a alvos específicos para o tratamento de leishmaniose

Processo: 19/16904-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2019 - 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Inorgânica
Pesquisador responsável:Camilla Abbehausen
Beneficiário:Camilla Abbehausen
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Química bioinorgânica  Desenvolvimento de fármacos  Metalofármacos  Leishmaniose  Dedos de zinco  Metais de transição 

Resumo

Leishmania é um protozoário que causa leishmaniose, uma doença com um amplo espectro de manifestações clínicas em humanos, transmitida pela picada de flebotomíneos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, ela é endêmica em 88 países e afeta 12 milhões de pessoas mundialmente, sendo uma das doenças tropicais mais negligenciadas. O controle da leishmaniose é desafiador, particularmente no Brasil, onde tem se espalhado pelo país nos últimos 30 anos, levando ao um aumento no número de casos em áreas urbanizadas. As opções de fármacos para tratar os pacientes são muito limitadas, com complexos de antimônio sendo usados como primeira linha de tratamento para todas as formas de leishmaniose por aproximadamente um século, mesmo este sendo extremamente tóxico e requerer uma dolorida administração parenteral. Consequentemente, há grande interesse na pesquisa para identificação de tratamentos menos tóxicos. Neste contexto, nossa estratégia propõe o uso de novos metalofármacos, baseados em metais de transição como Cu(I), Cu(II), Fe(II), Au(I), Au(III), Pd(II), Pt(II), contra diferentes espécies de Leishmania. Para validação de nossa hipótese mecanística será lançaremos mão de uma abordagem investigacional integrada, combinando química, biofísica, biologia e parasitologia. Além do mais, como prova de conceito in vitro e in vivo, pretendemos identificar metalofármacos capazes de agir em biomoléculas específicas, especialmente controladores de transcrição (especificamente zinc fingers e miméticos de heme), com eficácia melhorada contra estágios intracelulares do parasita e com potencial redução de efeitos colaterais. Nossos achados representarão uma etapa crucial de ciência básica para estimular os investimentos das companhias farmacêuticas. Nossos estudos estimularão a discussão com diferentes pesquisadores na comunidade científica e irão conduzir estratégias para o desenvolvimento de candidatos a fármacos promissores para o tratamento da leishmaniose. Este projeto se encontra dentro de um context da colaboração internacional estabelecida com a Profa Angela Casini, Cardiff Universty, de acordo com propjeto SPRINT 2018/21120-8. (AU)