Busca avançada
Ano de início
Entree

Participação da lesão do glicocálix endotelial na disfunção microcirculatória associada ao choque circulatório

Processo: 19/06187-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de novembro de 2019 - 31 de outubro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Carlos Henrique Miranda
Beneficiário:Carlos Henrique Miranda
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Medicina de emergência  Choque circulatório  Microcirculação  Estruturas da membrana celular  Glicocálix 

Resumo

O glicocálix endotelial é uma camada constituída por emaranhado de glicosaminoglicanas aderidas a proteínas de membrana revestindo a superfície endotelial do vaso. Algumas funções fisiológicas vêm sendo apontadas para esta estrutura tais como: controle da permeabilidade vascular, participação na adesão de células inflamatórias e plaquetárias, etc. O choque circulatório é manifestação grave de diferentes patologias com alta mortalidade. Comprometimento da microcirculação parece ter um papel central no estabelecimento e manutenção do choque contribuindo para a má perfusão tecidual. A manutenção de uma perfusão tecidual inadequada leva a disfunção de múltiplos órgãos. Comprometimento do glicocálix endotelial pode ter importante participação no estabelecimento da disfunção microcirculatória observada no choque, como, por exemplo, contribuindo para a ativação da coagulação e trombose da microcirculação, diminuindo a superfície de troca gasosa com o tecido, além de acarretar edema perivascular que dificulta a difusão do oxigênio para o tecido. Objetivo: Avaliar a participação do glicocálix endotelial na disfunção microcirculatória associada ao choque circulatório. Metodologia: Serão incluídos 60 pacientes com choque circulatório (20 com choque séptico, 20 com choque hemorrágico, 20 com choque cardiogênico/obstrutivo). A lesão do glicocálix endotelial será avaliada através da dosagem sérica de sindecano-1, aggrecan e ácido hialurônico através de kits comerciais de ELISA e da dosagem urinária sequencial de glicosaminoglicana através do ensaio DMMB. A avaliação da microcirculação será realizada através da capilaroscopia sublingual Glycocheck® (densidade de capilares, comprimento, diâmetro, velocidade do fluxo sanguíneo, estimativa da espessura do glicocálix endotelial). Também será avaliada a ocorrência dos seguintes desfechos clínicos: desenvolvimento de lesão renal aguda (através da dosagem de cistatina-C); necessidade de terapia substitutiva renal (hemodiálise); disfunção de múltiplos órgãos (escore SOFA); coagulação intravascular disseminada (escore DIC) e mortalidade geral que serão correlacionados com os marcadores de lesão do glicocálix endotelial. Significância: Este estudo poderá abrir novas perspectivas terapêuticas para o tratamento do choque circulatório através da preservação/restauração do glicocálix endotelial. O background adquirido permitirá a realização de estudos experimentais e clínicos utilizando-se de diferentes estratégias para restauração do glicocálix endotelial, inclusive, com a utilização de diferentes biopolímeros encontrados na fauna e flora brasileiros. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Pesquisadores registram ao vivo a formação de coágulos em vasos sanguíneos de pacientes com COVID-19 
Pesquisadores registram ao vivo a formação de coágulos em vasos sanguíneos de pacientes com COVID-19 

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DO ESPIRITO SANTO, DOUGLAS ALEXANDRE; BERTOLDI LEMOS, ANNA CRISTINA; MIRANDA, CARLOS HENRIQUE. In vivo demonstration of microvascular thrombosis in severe COVID-19. JOURNAL OF THROMBOSIS AND THROMBOLYSIS, AUG 2020. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.