Busca avançada
Ano de início
Entree

Vulnerabilidade ao embolismo em espécies cítricas: características hidráulicas, variação sazonal e relações entre copa e porta-enxerto

Processo: 19/15276-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2019 - 30 de novembro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Eduardo Caruso Machado
Beneficiário:Eduardo Caruso Machado
Instituição-sede: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Pesq. associados:Fernando Alves de Azevedo ; Luciano Pereira ; Neidiquele Maria Silveira ; Rafael Vasconcelos Ribeiro
Assunto(s):Citricultura  Fisiologia vegetal  Relações hídricas nas plantas  Absorção de água pelas plantas  Escassez de água  Cavitação  Xilema  Enxertia (fitotecnia)  Porta-enxertos 

Resumo

A prática de enxertia afeta a suscetibilidade da planta ao déficit hídrico uma vez que porta-enxerto e copa apresentam resistências diferentes à seca. Nos casos do xilema, a tensão gerada pela transpiração pode causar a formação de embolia, que reduz a capacidade das plantas de transportar água. A vulnerabilidade dos ramos ao embolismo varia ao longo da estação de crescimento das plantas bem como após um evento de seca.Este estudo tem como objetivo avaliar as relações hídricas de espécies cítricas em condições de campo e revelar as bases estruturais e funcionais da suscetibilidade ao embolismo, assim como avaliar a associação dessas características com a tolerância à seca em citros. Como hipóteses, temos que espécies e variedades de copas enxertadas sobre o mesmo porta-enxerto apresentam características hidráulicas diferentes; a espécie de porta-enxerto altera a suscetibilidade ao embolismo das copas; a condutividade hidráulica e a vulnerabilidade ao embolismo variam ao longo do ano. Para isso, será feito um estudo de caracterização hidráulica de diferentes combinações de copa/porta-enxerto com importância para o Brasil, além de um estudo da variação sazonal destas características em plantas no campo. Em ramos, serão avaliados a condutividade hidráulica, a margem de segurança hidráulica, a anatomia, a contribuição das aquaporinas para o transporte de água, o potencial da água na folha e as trocas gasosa sem árvores de laranja Valência, Pêra e Hamlin, de tangerina Ponkan e de lima ácida Tahiti enxertadas em limoeiro Cravo e plantas de laranja Valência enxertadas sobreporta-enxertos de limão Cravo, citrumelo Swingle e citrandarins. Conhecendo as características que induzem maior resistência ao embolismo, a seleção de materiais resistentes à seca poderia ser feita precocemente, podendo ser uma ferramenta utilizada em programas de melhoramento dos citros.Palavras-chave: citros, embolismo, perda de condutividade hidráulica, anatomia do xilema. (AU)