Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação dos mecanismos moleculares envolvidos no efeito antiobesidade da Camellia sinensis

Resumo

O avanço da epidemia de obesidade, que hoje acomete aproximadamente um terço dos adultos ao redor do mundo, ressalta a relevância do estudo circunstanciado do tecido adiposo. O tecido adiposo não é mais considerado um mero local de armazenamento para o excesso de energia como foi há 20 anos. Em vez disso, anos de intensa pesquisa trouxeram à tona a imagem de um órgão altamente ativo envolvido em numerosos processos metabólicos, hormonais e imunológicos, cujos produtos e reações são capazes de atuar não apenas localmente, mas também influenciam outros órgãos e sistemas, desempenhando um papel crucial na homeostase energética. A alta prevalência de obesidade na população desperta o interesse científico na busca por intervenções terapêuticas capazes de promover a perda de massa gorda e de prevenir as comorbidades associadas. Neste sentido, muitos pesquisadores procuram encontrar compostos bioativos oriundos de produtos naturais com propriedades farmacológicas capazes de tratar e/ou prevenir a obesidade, modulando a atividade do tecido adiposo. Embora progressos consideráveis tenham sido feitos na compreensão dos mecanismos moleculares subjacentes à obesidade, há ainda uma lacuna enorme no entendimento da fisiopatologia da doença, indicando a necessidade de mais estudos. Nosso grupo de pesquisa há algum tempo vem estudando os efeitos de diferentes compostos com propriedades nutracêuticas em disfunções metabólicas como o DM2 em modelos animais e células. Atualmente estamos investigando em diferentes células in vitro e tecidos ex vivo, os efeitos da planta Camellia sinensis para o tratamento da obesidade e suas complicações. As primeiras pesquisas do nosso grupo envolvendo chá verde (CV) e obesidade corroboraram com dados da literatura e apontaram um significativo papel do CV como anti-inflamatório, termogênico (indução de adipócitos bege e ativação do tecido adiposo marrom), antioxidante, redutor de tecido adiposo branco, além de melhorar a resistência à insulina e a homeostase glicêmica. Entretanto, os mecanismos celulares e moleculares envolvidos nas diversas ações benéficas do CV precisam ainda ser esclarecidos, embora temos fortes indícios do envolvimento do fator de transcrição PPAR e dos adipócitos bege nas ações benéficas do CV. Portanto, em linhas gerais, no presente projeto pretendemos investigar os mecanismos moleculares que envolvem o PPARg e induzem um maior gasto energético em camundongos obesos tratados com CV, utilizando para este fim, camundongos com deleção parcial de PPARg no tecido adiposo. Nossos estudos visam verificar a influência das catequinas como agonistas dos PPARs sobre o metabolismo energético e na termogênese adaptativa, a qual colabora na perda ponderal de peso. Além disso, temos como objetivo avaliar a população imune presente no tecido adiposo epididimal, subcutâneo e marrom de animais selvagens expostos a uma HFD e tratados com CV. Esta análise se dará por citometria de fluxo para imunofenotipagem e identificação das subpopulações de macrófagos (M0, M1, M2), eosinófilos, linfócitos (TCD4, TCD8, NKT, Th1, Th2, Tdg, Treg, Th17) e neutrófilos. Este projeto configura-se como um trabalho investigativo sequencial das primeiras pesquisas iniciadas com compostos bioativos de plantas para o tratamento da obesidade e que enriquecerá qualitativamente os dados preliminares já obtidos pelo grupo de pesquisa. Os achados deste projeto podem apresentar importante valor em estudos translacionais para humanos. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)