Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de microplataformas brain-on-a-chip para modelagem do sistema nervoso central in vitro

Processo: 18/12605-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de novembro de 2019 - 31 de outubro de 2024
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Marimélia Aparecida Porcionatto
Beneficiário:Marimélia Aparecida Porcionatto
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Alexander Birbrair ; Alexander Henning Ulrich ; Ana Luiza Garcia Millas Massaguer ; Angelo Luiz Gobbi ; Beatriz de Oliveira Monteiro ; Giselle Zenker Justo ; Isaias Glezer ; Jean Faber Ferreira de Abreu ; Kil Sun Lee ; Laura Lopez Mascaraque ; Laura Nicoleti Zamproni ; Lucimara Gaziola de la Torre ; Luiz Eugenio Araujo de Moraes Mello ; Paulo Schor ; Renato Sousa Lima ; Sang Won Han ; Su Ryon Shin
Assunto(s):Bioengenharia  Acidente vascular cerebral  Degeneração neural  Engenharia tecidual  Dispositivos lab-on-a-chip 

Resumo

O conceito de organ-on-a-chip, que abrange diferentes modelagens ou reproduções de tecidos ou órgãos in vitro a partir da combinação de células e materiais biocompatíveis, tem se tornado uma alternativa para diversos estudos. O impulso inicial se deu pelas iniciativas mundiais de redução do uso de animais de experimentação, porém os organ-on-a-chip têm potenciais aplicações muito mais amplas, como por exemplo, estudos do desenvolvimento de órgãos e testes de fármacos. Microplataformas que modelam ou mimetizam o sistema nervoso central (SNC), conhecidas como brain-on-a-chip, consistem na cultura de células-tronco neurais ou células-tronco de pluripotência induzida (iPSCs), sobre materiais biocompatíveis ou em construções mais complexas com sistemas para circulação de fluidos mimetizando tanto a circulação sanguínea e barreira hematoencefálica, quanto a circulação do líquido cefalorraquidiano. As microplataformas para estudos do SNC in vitro permitem aplicações diversas como estudos de mecanismos celulares e moleculares do surgimento e progressão de doenças neurodegenerativas e testes de fármacos para tratar essas doenças. Diante desse cenário, nosso objetivo é desenvolver microplataformas para estudos do desenvolvimento normal do SNC, dos mecanismos celulares e moleculares envolvidos na patofisiologia das doenças que afetam o SNC e a conectividade neuronal utilizando bioimpressão 3D, câmaras microfluídicas e matrizes de microeletrodos (MEAs). (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (16 total):
Mais itensMenos itens
Brasileiros estudam "tinta 3D" para entender melhor doenças como Alzheimer 
Brasileiros estudam "tinta 3D" para entender melhor doenças como Alzheimer 
Brasileiros estudam "tinta 3D" para entender melhor doenças como Alzheimer 
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Brasileiras criam biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Brasileiras criam biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Pesquisadores da Unifesp desenvolvem biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Pesquisadores da Unifesp desenvolvem biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso 
Grupo desenvolve biotinta para impressão 3D de tecido nervoso