Busca avançada
Ano de início
Entree

Vasoibina-aptâmero (VASH-aptâmero): um potencial agente teranóstico no câncer colorretal

Processo: 19/23592-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de março de 2020 - 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Convênio/Acordo: Carleton University
Proposta de Mobilidade: SPRINT - Projetos de pesquisa - Mobilidade
Pesquisador responsável:Denise Gonçalves Priolli
Beneficiário:Denise Gonçalves Priolli
Pesq. responsável no exterior: Maria C DeRosa
Instituição no exterior: Carleton University, Canadá
Instituição-sede: Universidade São Francisco (USF). Campus Bragança Paulista. Bragança Paulista , SP, Brasil
Pesq. associados:Thalita Rocha
Vinculado ao auxílio:18/21471-5 - Vasoibina: potencial alvo para inibição de angiogênese no câncer colorretal, AP.R
Assunto(s):Cirurgia colorretal  Neoplasias colorretais  Nanomedicina teranóstica  Aptâmeros  Vasoibinas  Inibidores da angiogênese  Angiogênese  Neovascularização patológica  Proliferação celular  Cooperação internacional 

Resumo

Angiogênese é um termo que descreve a formação de vasos sanguíneos, um processo fisiológico envolvido no crescimento e na cicatrização, que também está ligado ao desenvolvimento de doenças, incluindo câncer, sua progressão e desenvolvimento de metástases. Diferentemente, a angiogênese tumoral é caracterizada pela formação de neovasos através da estimulação e proliferação de células dos vasos endoteliais preexistentes e, portanto, é denominada neo-angiogênese. Entre os reguladores de angiogênese descritos mais recentemente estão as vasohibinas (VASHs). A família das vasohibinas é composta por dois membros: a vasohibina-1 (VASH-1), que é expressa nos vasos e no câncer colorretal e é relacionada ao prognóstico, e a vasohibina-2 (VASH-2), seu homólogo, expressa em tecido tumoral e parece ter um efeito estimulador na angiogênese. Atualmente, a terapia antiangiogênica é uma opção, especialmente nos estágios avançados do câncer, mas seus efeitos colaterais ainda são amplos, devido à sua ação no endotélio tumoral e no endotélio normal. Além disso, o desenvolvimento de resistência a medicamentos tem sido um problema. A identificação do alvo específico, como o VASH, desperta interesse em terapia antiangiogênica. O projeto foi dividido em três fases distintas. Na fase I (Brasil), o objetivo foi compreender o comportamento do VASH na carcinogênese do câncer colorretal (CCR) a partir de biópsias de tecido humano normal, adenoma e adenocarcinoma; na fase II (Brasil), um novo agente antiangiogênico foi estudado em um modelo animal de câncer de cólon humano, enquanto na fase III pretendemos desenvolver um aptâmero de VASH como agente teranóstico no câncer de cólon (Canadá). (AU)