Busca avançada
Ano de início
Entree

Inovação social farmacêutica para necessidades médicas não atendidas - SPIN

Processo: 19/02519-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2020 - 30 de abril de 2023
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Convênio/Acordo: Trans-Atlantic Platform for the Social Sciences and Humanities
Pesquisador responsável:Fernando Mussa Abujamra Aith
Beneficiário:Fernando Mussa Abujamra Aith
Pesq. responsável no exterior: Conor Douglas
Instituição no exterior: York University, Canadá
Pesq. responsável no exterior: Ellen Moors
Instituição no exterior: Utrecht University (UU), Holanda
Pesq. responsável no exterior: Rabeharisoa Vololona
Instituição no exterior: ParisTech, França
Instituição-sede: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Claudio Roberto Cordovil Oliveira ; Jarno Hoekman ; Robert Peter Hagendijk ; Wouter Boon
Assunto(s):Assistência farmacêutica  Necessidades médicas não atendidas  Doenças raras  Inovação social  Indústria farmacêutica  Sociologia médica  Direito sanitário 

Resumo

Para muitos pacientes em todo o mundo, os medicamentos e tratamentos médicos estão indisponíveis ou inacessíveis. Muitos desses pacientes são de baixa capacidade econômica e não são vistos como mercado viável pela indústria farmacêutica. Outros pacientes (como aqueles com doenças raras) não representam uma base de consumidores suficientemente grande para justificar os investimentos em pesquisas significativos da indústria farmacêutica, necessários para o desenvolvimento de novos tratamentos. Todos esses pacientes, portanto, estão enfrentando o que é chamado de "necessidades médicas não atendidas". No domínio das doenças raras, foram implementadas políticas específicas em diferentes países que resultaram em algum crescimento no número de medicamentos para estas doenças. No entanto, muitas condições ainda carecem de tratamentos e, quando estão disponíveis, são normalmente muito caras e, portanto, inacessíveis e insustentáveis. Nos últimos anos, surgiram formas de inovação social farmacêutica (SPIN), que são novos modelos de pesquisa e desenvolvimento (P & D) que buscam abordar as desigualdades e vulnerabilidades em saúde relacionadas a doenças raras e outras necessidades médicas não atendidas. O SPIN não é dirigido exclusivamente pelo lucro, e é caracterizado por colaborações entre empresas privadas, instituições públicas e diversos grupos interessados (incluindo organizações de pacientes). Nosso projeto reúne equipes do Canadá, Brasil, França e Holanda com longa experiência em aspectos sociais relacionados à inovação farmacêutica. Estaremos realizando pesquisas comparativas entre países sobre diferentes tipos de SPIN, a saber, parcerias de P & D, formas alternativas de fornecimento, licenciamento e estruturas regulatórias alternativas para cobertura. Nosso objetivo é fornecer uma compreensão detalhada dos contextos médicos, sociais, econômicos, políticos e regulatórios que moldam essas iniciativas da SPIN. Ao fazê-lo, estaremos disseminando as experiências daqueles diretamente envolvidos nas iniciativas da SPIN que estamos estudando e, assim, estaremos contribuindo para a própria SPIN. (AU)