Busca avançada
Ano de início
Entree

SPIICA - Rede Internacional São Paulo - Imperial College (UK) de estudo das correlações imunológicas em arbovírus: especial ênfase em CHIKV

Processo: 18/14372-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de março de 2020 - 28 de fevereiro de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Convênio/Acordo: MRC, UKRI ; Newton Fund, com FAPESP como instituição parceira no Brasil
Pesquisador responsável:Rodrigo Guerino Stabeli
Beneficiário:Rodrigo Guerino Stabeli
Pesq. responsável no exterior: Daniel Altmann
Instituição no exterior: Imperial College London, Inglaterra
Instituição-sede: PLATAFORMA PESQUISA MEDICINA TRANSLACIONAL/FIOCRUZ
Pesquisadores principais:Eduardo Barbosa Coelho ; João Santana da Silva ; Rafael Freitas de Oliveira Franca
Pesq. associados: Andre Machado de Siqueira ; Carla Freire Celedonio Fernandes ; Fabio Trindade Maranhão Costa ; Jean Pierre Schatzmann Peron ; José Luiz Proença Módena ; Luciana Benevides ; Pedro Manoel Mendes de Moraes Vieira ; Ricardo Tostes Gazzinelli ; Sigrid de Sousa dos Santos ; Vanessa Carregaro Pereira ; Wilson Araújo da Silva Junior
Assunto(s):Imunologia celular  Biotecnologia  Anticorpos  Arbovirus  Vírus Chikungunya  Doenças transmissíveis emergentes  Saúde pública 

Resumo

As doenças emergentes e reemergentes são um grande problema de saúde pública. Nos últimos anos, o mundo tem sido ameaçado por várias doenças infecciosas emergentes ou reemergentes de grande relevância tais como: Ebola, Influenza, Febre Amarela (YFV), Dengue (DENV), Febre do Nilo Ocidental (WNV) entre outras. No Brasil, as infecções emergentes causadas por arbovírus como o DENV e o YIF são históricas e vêm causando graves sequelas à população ao longo dos anos. Ainda, mais recentemente, os problemas de saúde causados pelos reemergentes vírus zika (ZIKV) e chikungunya (CHIKV) tem causado forte impactos sociais e econômicos ao país. As infecções emergentes causadas por arbovírus são uma grande preocupação devido às grandes dimensões que a epidemia pode causar e, devido aos problemas causados e à rapidez com que se disseminam, é cada vez mais necessário buscar formas eficazes de prevenção e tratamento. O CHIKV é um arbovírus emergente presente em regiões tropicais e subtropicais transmitidas pelo vetor artrópode A. aegypti. A infecção pelo CHIKV pode ser assintomática ou caracterizada pelo aparecimento de febre, erupções cutâneas e artralgia. Enquanto muitos dos sintomas desaparecem dentro de uma semana, a artralgia pode persistir em quase 50% dos pacientes por até alguns anos. Os mecanismos moleculares de desenvolvimento da cronicidade desta doença são muito complexos e permanecem ainda desconhecidos. A fim de contribuir para a compreensão do curso natural desta doença desde a infecção, cronicidade até as intenções de resolução, este projeto visa avaliar o estabelecimento de uma rede científica internacional para estudar as vias genéticas, imunológicas, metabolômicas e outros fatores associados à artrite crônica em pacientes previamente expostos à CHIKV. Didaticamente, a proposta a seguir, está dividida em: (i) estudos ex vivo utilizando amostras de pacientes naturalmente infectados pelo CHIKV (coortes já estabelecidas em Rede Nacional de Pesquisa Clínica no CHIKV (CNPq 421724/2017); (ii) estudos in vivo / vitro para avaliação de processos imunológicos / metabólicos associados ao início da resposta imune inata / adaptativa e (iii) abordagem biotecnológica para construção de um protótipo para tratamento ou diagnóstico. Caracterizaremos o curso da doença através da coleta de carga viral, citocinas, metabólitos, isotipos de anticorpos, hematologia (células), níveis de genótipos e anti-inflamatórios durante a infecção aguda, convalescença e fases crônicas. O interesse é entender se o CHIKV altera o metabolismo das células imunes e prejudica o início subsequente da resposta imune adaptativa (?). Além disso, este projeto será a primeira iniciativa para fornecer informações sobre a história natural da infecção pelo CHIKV e permitir a identificação de pacientes em risco de cronicidade. Ainda, vale a pena ressaltar que os objetivos desta proposta, apesar de exaustivos, podem ser executados porque este projeto compõem sinergicamente a estudo multicêntrico e multidisciplinar financiado pelo Ministério da Saúde intitulado "Rede de Pesquisa Clínica e Aplicada em CHIKV - REPLICK" (CNPq 421724/2017, coordenado por André M. Siqueira, participante deste projeto e vice-coordenado por este proponente), que visa caracterizar a evolução clínica e molecular da infecção pelo CHIKV no Brasil. Esta rede permitirá o acesso a um biobanco de amostras clínicas bem caracterizadas de 10 locais em 10 Estados Brasileiros, de Norte a Sul. Assim, os resultados a longo prazo do projeto serão novos insights prognósticos e terapêuticos sobre a infecção aguda e crônica causada pelo CHIKV, levando à melhoria do atendimento ao paciente e ao reforço da parceria colaborativa entre centros de excelência para pesquisa de infecção e imunidade nas instituições paulistas envolvidas, no processo de instalação da Fiocruz em São Paulo e o Reino Unido, consolidando a ponte de pesquisa entre os dois países. (AU)