Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da quiropterofauna em interfaces urbano-rurais: riqueza, abundância e distribuição associadas ao risco de transmissão de patógenos a animais domésticos e humanos

Processo: 19/19702-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de junho de 2020 - 31 de maio de 2022
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:Ricardo Augusto Dias
Beneficiário:Ricardo Augusto Dias
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Marcos Bryan Heinemann ; Paulo Eduardo Brandão
Assunto(s):Bioacústica  Raiva  Epidemiologia  Morcegos 

Resumo

Das 180 espécies brasileiras de morcegos (Ordem Chiroptera), 46,7% ocorrem em áreas urbanas, porém pouco se sabe sobre a influências deste tipo de ambiente na ecologia destas espécies. Além disso, não há trabalhos publicados sobre a estrutura das comunidades de quirópteros em áreas urbanas no país até o presente momento. No entanto, o processo de urbanização pode, potencialmente, implicar em mudanças ecológicas importantes para dinâmica de transmissão intra e interespecífica de patógenos nas comunidades de morcegos. Os levantamentos de quiropterofauna urbana existentes advém de dados secundários produzidos pelos sistemas de vigilância passiva da raiva, os quais vêm gerando evidências da circulação viral nestas populações. Porém, estes dados não permite elucidar o adequadamente os papéis ecológico e epidemiológico dos quirópteros urbanos. Este conhecimento é crucial em um contexto de convivência harmônica entre humanos, morcegos e animais domésticos em áreas com distintos níveis de antropização. Assim, o presente estudo visa investigar, através de monitoramento bioacústico, a influência dos componentes de paisagem na riqueza e abundância relativa de espécies da comunidade de quirópteros e no nível de atividade destes animais ao longo de um gradiente urbano-rural-preservado, e acessar a percepção e atitudes da população acerca da convivência com morcegos e dos potenciais agravos ou transmissão de patógenos à ela relacionados. (AU)