Busca avançada
Ano de início
Entree

Cimento de ionômero de vidro modificado por resina com incorporação de nanohidroxiapatita: avaliação in vitro das propriedades físico-biológica

Processo: 20/06919-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de agosto de 2020 - 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Angela Cristina Cilense Zuanon
Beneficiário:Angela Cristina Cilense Zuanon
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Citotoxicidade  Cimentos de ionômeros de vidro  Nanotecnologia 

Resumo

O cimento de ionômero de vidro modificado por resina (CIVMR) possui propriedades importantes. No entanto, como outros materiais restauradores, possui limitações, como diminuição da biocompatibilidade. A incorporação de nanopartículas (NP) no CIVMR resultou em melhorias em algumas de suas propriedades. O objetivo deste estudo foi avaliar as propriedades físico-biológicas do CIVMR com a adição de nanohidroxiapatita (NPHA). Material e Métodos: Utilizou-se o Vitremer CIVMR, incorporando o NPHA por técnicas de amalgamador, vórtice e manual, totalizando dez grupos experimentais. A distribuição e dispersão do NPHA foram avaliadas qualitativamente por Microscópio Eletrônico de Varredura por Emissão de Campo (SEM-FEG). A avaliação da porosidade da imagem (SEM-FEG) com a ajuda da imageJ. Viabilidade celular Brometo de 3- (4,5-dimetiltiazol-2il) -2,5-difenil tetrazolina (MTT) e morfologia celular foram realizadas em células odontoblastoides MDPC-23 às 24 e 72 h. Resultados: Foi possível observar boa dispersão e distribuição do NPHA nas amostras em todos os grupos experimentais. A incorporação de 5% de NPHA no CIVMR com agitação no vórtice resultou em menos poros. O aumento na concentração de NPHA foi diretamente proporcional à diminuição da citotoxicidade. Conclusões: Conclui-se que o uso de um vórtice com a incorporação de 5% de NPHA é a técnica de mistura mais adequada quando se considera o menor número de poros no interior do material. Uma maior concentração de NPHA resultou em melhor viabilidade celular, sugerindo que essa associação é promissora para estudos futuros de novos materiais restauradores. (AU)