Busca avançada
Ano de início
Entree

Produção de plantas em escala massal de palmeiras nativas economicamente importantes

Processo: 19/09095-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de junho de 2020 - 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Mariza Monteiro
Beneficiário:Mariza Monteiro
Empresa:Mariza Monteiro
CNAE: Produção de mudas e outras formas de propagação vegetal, certificadas
Município: Piracicaba
Pesq. associados:Carlos Augusto Colombo ; Cesar Augusto Zanello ; Luciano Delmondes de Alencar ; Maria Imaculada Zucchi
Bolsa(s) vinculada(s):20/07834-8 - Produção de mudas em escala massal de palmeiras nativas economicamente importantes, BP.PIPE
Assunto(s):Embriogênese somática  Micropropagação vegetal  Cultura de tecidos  Plantas nativas  Arecaceae  Palmeiras 

Resumo

As palmeiras pertencem a família Arecacea, um dos grupos mais importantes de plantas tropicais para o homem. No Brasil são relatadas mais de 250 espécies de palmeiras, sendo que grande parte ocorre na Amazônia e o restante está distribuído por todas as regiões do pais. Delas são extraídos produtos utilizados como alimentos, óleo para uso medicinal e cosméticos, material para construção civil, bijuterias, entre outros produtos industrializados. Além disso possuem lugar de destaque em projetos de paisagismo e em recuperação de ambientes degradados. Dentre as palmeiras economicamente importantes para o Brasil, destacamos, juçara (Euterpe edulis), a jarina (Phytelephas macrocarpa), o açaizeiro (Euterpe oleracea) e a macaúba (Acrocomia aculeata). Porém, a principal forma exploratória tem sido pelo extrativismo, o que vem contribuindo para de diminuição da variabilidade genética e a degradação das florestas, podendo levar a extinção destas espécies. As técnicas de cultura de tecidos têm permitido a clonagern de genótipos superiores, a conservação de germoplasma, a obtenção de plantas livres de vírus e a micropropagação em larga escala, constituindo-se uma ferramenta de grande importância para o melhoramento genético. Entre as várias técnicas de cultura de tecidos disponíveis, a embriogênese somática tem sido a principal via de regeneração em palmeiras, oferecendo vantagens como a produção de plantas em larga escala e a possibilidades de automação em algumas fases do processo, além da estabilidade genética das plantas regeneradas. No entanto, as principais fontes de explantes utilizadas para iniciar as culturas embriogênicas são a partir de embriões zigóticos e regiões meristemáticas (palmitos). Estes explantes possuem a desvantagem de regenerar mudas geneticamente diferentes da planta-mãe (quando se utiliza embriões zigóticos) ou sacrificando a palmeira durante a extração dos dos explantes. Portanto, este projeto tem como objetivo estabelecer protocolos de regeneração de plantas de palmeiras in vitro, em larga escala a partir de explantes foliares ou inflorescências jovens, os quais permitem a produção de mudas geneticamente iguais a planta-mãe (clones) e mantendo sua viabilidade. (AU)