Busca avançada
Ano de início
Entree

A associação de uma variante única de nucleotídeo no microRNA-146a com prognóstico avançado de câncer colorretal

Processo: 20/05498-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de julho de 2020 - 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Manoela Marques Ortega
Beneficiário:Manoela Marques Ortega
Instituição-sede: Universidade São Francisco (USF). Campus Bragança Paulista. Bragança Paulista , SP, Brasil
Assunto(s):Neoplasias colorretais 

Resumo

Objetivos: O objetivo deste estudo foi avaliar a associação da variante de nucleotídeo único (SNV) n.60G> C (rs2910164) do microRNA (miR) -146a, relacionada à supressão das proteínas de reparo do DNA BRCA1 / 2, com o risco e sobrevida de pacientes com câncer colorretal (CRC), bem como os níveis de miR-146a e BRCA1 / 2 e eficiência de ligação ao miR. Métodos: Os genótipos foram identificados em 125 pacientes com CRC e 276 controles usando o ensaio de reação em cadeia da polimerase TaqMan (PCR). Os níveis de miR-146a e BRCA1 / 2 foram avaliados pelo método de PCR quantitativo. O precursor primário do miR-146a contendo os alelos G (do tipo selvagem) e C (variante) foi clonado no vetor pcDNA.3.3 e co-transfectado na linhagem celular de CRC, HT-29. O ensaio repórter da luciferase foi realizado para avaliar a ligação do miR-146a à região não traduzida de BRCA2 (3'-UTR) na HT-29. As diferenças entre os grupos foram calculadas pelo teste do Qui-quadrado ou teste exato de Fisher, regressão logística e teste de Mann-Whitney. O impacto prognóstico dos genótipos da SNV na sobrevida global (OS) foi avaliado pela estimativa de Kaplan-Meier e regressão de Cox. Resultados: A prevalência de genótipos GC ou CC foi semelhante em pacientes e controles (50,4% vs. 50,7%, P = 0,74). No entanto, pacientes com tumores em estágio avançado com o genótipo miR-146a GG tiveram 2,41 mais chances de morrer do que os genótipos GC ou CC. Além disso, os tecidos tumorais de pacientes com genótipo GG apresentaram maiores níveis de miR-146a (P = 0,02) e menores de BRCA1 (P = 0,01) e BRCA2 (P = 0,0001) quando comparados aos genótipos GC ou CC. De fato, pcDNA.3.3-miR-146a-G apresentou capacidade de ligação aumentada à 3'UTR de BRCA2 (P = 0,001) em comparação com pcDNA.3.3-miR-146a-C. Além disso, o alelo G alterou a afinidade de ligação entre miR-146a e seu alvo BRCA2 3'-UTR (P <0,001), aumentando assim a supressão da expressão de BRCA2. Conclusões: Nossos resultados sugerem que a SNV rs2910164 não influencia o risco de CCR em pacientes brasileiros; no entanto, o genótipo GG pode atuar como um fator de pior prognóstico em pacientes com doença avançada devido à supressão de BRCA1 / 2 modulado pelo miR-146a. (AU)