Busca avançada
Ano de início
Entree

BioApatIgG - diagnóstico sorológico de baixo custo e alta performance

Processo: 20/05023-2
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de maio de 2020 - 30 de abril de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Convênio/Acordo: FINEP - PIPE/PAPPE Subvenção
Pesquisador responsável:Mona das Neves Oliveira
Beneficiário:Mona das Neves Oliveira
Empresa:Biolinker Biologia Sintética Eireli
Município: São Paulo
Pesquisadores principais:Phelipe Augusto Mariano Vitale
Pesq. associados:Carolina de Lima Jorge ; Erika Regina Manuli ; Mario Andrés Rodríguez Pineda
Vinculado ao auxílio:17/22801-6 - Desenvolvimento de aptâmeros de DNA para uso na etapa de purificação de alvos proteicos do lab-on-chip integrated protein synthesis procarion, AP.PIPE
Auxílios(s) vinculado(s):20/06752-8 - BioApatIgG- diagnóstico sorológico de baixo custo e alta performance, AP.PIPE
Assunto(s):Biotecnologia  Técnicas e procedimentos diagnósticos  Técnicas de diagnóstico molecular  Testes sorológicos  Imunoglobulina G  Reação em cadeia por polimerase (PCR)  Técnica de amplificação isotérmica mediada por loop com transcriptase reversa (RT-LAMP)  COVID-19  Coronavirus da síndrome respiratória aguda grave 2  Infecções por Coronavirus  Pandemias 

Resumo

Em dezembro de 2019, a Organização Mundial da Saúde foi informada de um conjunto de casos de pneumonia de etiologia desconhecida em Wuhan, China. Diversas investigações subsequentes identificaram um novo coronavírus, agora denominado de síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 SARS-CoV-2), nas amostras de pacientes afetados. O diagnóstico laboratorial altamente sensível e específico é importante para o controle rápido da evolução da doença de Coronavírus associado ao SARS-CoV-2 2019 (COVID-19). No Brasil, no dia 26 de fevereiro foi diagnosticado e registrado o primeiro paciente com o COVID-19. Desde então a curva de novos casos tem crescido logaritmicamente e a demanda de insumos para testes rápidos e precisos é uma necessidade de alta importância. Atualmente é preconizado pelo Centro para Controle e Prevenção de Doença (CDC) testes moleculares para detecção do RNA viral em fluidos humanos. No entanto, testes de detecção para monitoramento de pessoas que já desenvolveram imunidade à doença são de importância fundamental para real acompanhamento do progresso viral. No Brasil, os insumos para produção dos testes tanto moleculares quanto para os imunoensaios são importados, e com o avanço da pandemia, a logística de materiais e os altos preços levam a necessidade de produção local de insumos biotecnológicos de uso em imunoensaios e testes moleculares. Diante disso a BIOLINKER, uma empresa especializada em síntese rápida de proteínas com sistema in vitro de transcrição e tradução, se propõe em parceria com a Professora Ester Sabino do Instituto de Medicina Tropical e o grupo de Virologia da UFRJ do professor Almidar Tanuri, a fornecer kits de reação de ELISA, padronizados para detecção de IgG circulante contra o vírus COVID-19 em soros de pacientes. Nossos resultados com o aptâmero, validado durante o PIPE fase 1, mostraram alta afinidade e especificidade a fração constante de IgG humanos. Prevemos o uso desse aptâmero desenvolvido no PIPE-fase 1 n° do processo 201722801-6 conjugado com biotina e a detecção através da peroxidase conjugada com avidina a qual é outro insumo de fácil produção pela BIOLINKER. Avaliaremos a detecção de IgG de soro de pacientes contra os antígenos do nucleocapsídeo N, a fração antigênica da proteína spike RBS (região de ligação ao receptor da spike). Nosso objetivo com este fomento é estabelecer uma escala de produção dos antígenos que já estamos triando em busca de regiões antigênicas e que inicialmente produzimos em sistema "cell-free" ou livre de células, e em seguida imobilizá-los em placas de ELISA no grau de pureza de 85%, além de fabricar os tampões e aptâmero anti-IgG conjugado com biotina para detecção de IgG no soro de pacientes em triagem, junto com o Instituto de Medicina Tropical - FM-USP. Dessa forma, viabilizarmos um ensaio rápido e de baixíssimo custo para triagem epidemiológica da doença. Os nossos custos estimados são baixos, visto que a produção de aptâmeros são de relativo baixo custo, assim como a produção do antígeno via "cell-free", uma vez que a empresa possui plasmídeos próprios de expressão e protocolos já estabelecidos. (AU)