Busca avançada
Ano de início
Entree

Lipoproteínas de densidade alta, produtos de glicação avançada e óxidos de colesterol no câncer de mama - associação com a classificação molecular do tumor e o prognóstico da doença

Processo: 19/18431-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2020 - 30 de junho de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Marisa Passarelli
Beneficiário:Marisa Passarelli
Instituição-sede: Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Campus Vergueiro. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Óxidos de colesterol  Neoplasias mamárias 

Resumo

A etiopatogenia do câncer de mama é diversa e a classificação molecular dos tumores e o cálculo de escore de recorrência são utilizados como base para o prognóstico e escolha terapêutica. Lipoproteínas de alta densidade (HDL) associam-se inversamente com a gênese tumoral, por modularem o conteúdo de lípides, necessário à replicação, adesão e migração tumoral, e desempenharem funções antioxidantes e anti-inflamatórias. Produtos de glicação avançada (AGEs), formados frente ao maior fluxo na via glicolítica, por convergência metabólica, e inflamação, são prevalentes em diversos tumores e se associam com o prognóstico do câncer de mama. Os receptores de AGEs (RAGE) também se relacionam com a evolução tumoral, embora suas isoformas solúveis possam se contrapor as vias deletérias dos AGEs. Os AGEs aumentam o insulto glicoxidativo e perturbam a homeostase de lípides, em parte, por diminuírem o conteúdo do receptor de HDL, ABCA-1. Isto prejudica a remoção de colesterol, favorecendo o acúmulo intracelular de óxidos de colesterol, que se vinculam ao potencial de crescimento e metástase de alguns tumores de mama. No presente projeto, pretende-se avaliar em mulheres recém-diagnosticadas com câncer de mama: a) a associação entre a concentração de AGEs, seus componentes de destoxificação (glioxalase 1 e receptor solúvel de AGE), óxidos de colesterol no plasma e a expressão de genes do eixo AGE-RAGE em células linfomononucleares (PBMC) com o prognóstico da doença, de acordo com sua classificação molecular, b) a concentração de óxidos de colesterol nas subfrações lipoproteínas de alta densidade (HDL2 e HDL3) e sua habilidade em remover colesterol celular e inibir a oxidação. Serão incluídas pacientes do sexo feminino, entre 18 e 80 anos de idade (n = 100), com diagnóstico recente de câncer de mama, virgens de tratamento e com a classificação molecular e estadiamento prognóstico clínico do tumor de I a III. Mulheres saudáveis na mesma faixa etária, pareadas por idade e índice de massa corporal serão incluídas como grupo controle 9n = 100). As concentrações de AGEs, receptor solúvel de AGE e glioxalase 1 serão determinadas no plasma por ELISA e as de óxidos de colesterol, no plasma e nas frações de HDL2 e HDL3, por espectrometria de massa. A expressão de genes do eixo AGE-RAGE será determinada por RT-qPCR em PBMC de sangue periférico. Estes parâmetros serão associados com o prognóstico do tumor, determinado por sua classificação molecular. Além disso, as HDL isoladas serão testadas quanto à sua habilidade em remover colesterol celular e inibir a oxidação e a inflamação. Os resultados serão importantes para determinar se os AGEs e óxidos de colesterol circulantes podem ser utilizados na predição da evolução do câncer de mama, em associação com sua classificação molecular; além de prover informações sobre a funcionalidade da HDL a qual pode modular a evolução da doença. (AU)