Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do papel dos esteroides C19 clássicos e C19 11-oxigenados no excesso de andrógenos e no perfil metabólico de pacientes com síndrome dos ovários policísticos

Processo: 17/21567-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de maio de 2020 - 30 de abril de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Larissa Garcia Gomes
Beneficiário:Larissa Garcia Gomes
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Helena Panteliou Lima Valassi
Assunto(s):Síndrome do ovário policístico  Endocrinologia  Perfil metabólico 

Resumo

A Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) é a disfunção endócrino metabólica mais comum em mulheres, com prevalência entre 8% a 13% em mulheres em idade reprodutiva. Trata-se de uma doença complexa que afeta múltiplos aspectos da saúde da mulher. Mulheres com SOP apresentam, por exemplo, maior risco de intolerância à glicose e diabetes mellitus tipo 2, doença gordurosa hepática não alcoólica, síndrome metabólica, alterações de humor e câncer de endométrio, quando comparadas a mulheres saudáveis. O excesso de andrógenos e a disfunção metabólica, no entanto, se manifestam de forma heterogênea em mulheres portadoras da SOP e há uma correlação positiva entre o hiperandrogenismo e o risco metabólico dessas pacientes. No contexto da síndrome, a correlação entre hiperandrogenemia, obesidade e resistência insulínica é bidirecional e o excesso de andrógenos parece ser o principal marcador de risco metabólico nas pacientes com SOP. Entretanto, os estudos que buscam correlacionar as concentrações de andrógenos com marcadores antropométricos, bioquímicos e inflamatórios na SOP são controversos. A recente descoberta do potencial androgênico dos esteroides C19 11-oxigenados em humanos e a observação de que esse grupo de esteroides corresponde à maioria dos andrógenos circulantes em mulheres com SOP abre precedentes para a investigação do seu papel no hiperandrogenismo associado à síndrome e de sua correlação com as complicações metabólicas nessas pacientes. A nossa hipótese é de que os andrógenos C19 11-oxigenados se comportam de forma heterogênea nos diferentes fenótipos da doença e são potenciais biomarcadores de resistência insulínica, disfunção metabólica e inflamação nas mulheres com SOP. Assim, o objetivo primário deste estudo é a dosagem sérica dos esteroides clássicos DHEA, testosterona total e androstenediona e dos esteroides C19 11-oxigenados 11OHA4, 11OHT, 11KA4 e 11KT por LCMS-MS e sua correlação com parâmetros clínicos, antropométricos, metabólicos e inflamatórios de pacientes com SOP em idade reprodutiva, comparadas com pacientes controle pareadas para idade e IMC. A casuística já está parcialmente selecionada e até o momento, 51 pacientes com SOP e 32 mulheres controle foram incluídas no estudo. As pacientes com SOP tem média de idade de 28.8 anos, IMC 31.8 Kg/m² e aumento de circunferência abdominal (média de 103 cm). Aproximadamente 10% dessas mulheres apresentam diabetes tipo 2, 73% apresentam dislipidemia e 8%, hipertensão arterial. Incialmente 45/51 pacientes com SOP preenchiam critérios para fenótipo clássico e as demais 6/51 correspondiam ao fenótipo normoandrogênico. Estabelecemos uma colaboração com a Universidade de Birmingham, Reino Unido, e encaminhamos amostras para a dosagem dos andrógenos C19 clássicos e C19 11-oxigenados em 38 mulheres do grupo SOP e 16 do grupo controle através de LCMS-MS. Em valores absolutos, as concentrações séricas dos C19 clássicos e C19 11-oxigenados são maiores nas pacientes com SOP em comparação aos controles. Além disso, a avaliação das concentrações séricas dos C19 clássicos por LCMS-MS identificou hiperandrogenemia em 4 das 6 pacientes com fenótipo normoandrogênico. No entanto, o tamanho da amostra precisa ser ampliado, a fim de avaliar quais os andrógenos que melhor se correlacionam com as manifestações hiperandrogênicas, metabólicas e inflamatórias nas pacientes com SOP. (AU)