Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do Estresse Nitrosativo no S-Nitroso-Proteoma de Paracoccidioides brasiliensis

Processo: 20/09055-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de agosto de 2020 - 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Wagner Luiz Batista
Beneficiário:Wagner Luiz Batista
Instituição-sede: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema , SP, Brasil
Assunto(s):Paracoccidioides brasiliensis  Óxido nítrico  Micologia 

Resumo

Os fungos Paracoccidioides brasiliensis e Paracoccidioides lutzii são os agentes causadores da paracoccidioidomicose (PCM), uma micose sistêmica endêmica na América Latina. Este fungo é considerado um patógeno intracelular facultativo capaz de sobreviver e se replicar dentro de macrófagos. A sobrevivência do fungo durante a infecção depende de sua adaptabilidade a várias condições, como estresse nitrosativo/oxidativo produzido pelas células do sistema imune do hospedeiro, principalmente macrófagos alveolares. Atualmente, há pouco conhecimento sobre as vias de sinalização de Paracoccidioides spp. envolvidas no mecanismo de evasão da resposta de defesa do hospedeiro. No entanto, sabe-se que algumas dessas vias são desencadeadas por espécies reativas de oxigênio e espécies reativas de nitrogênio (ROS/RNS) produzidas pelas células hospedeiras. Considerando que os efeitos do NO (óxido nítrico) nos patógenos são dependentes da concentração, esses efeitos podem alterar o estado redox dos resíduos de cisteína, influenciando (ativando ou inibindo) uma variedade de funções proteicas, notadamente a S-nitrosilação, uma importante modificação pós-traducional dependente do NO que regula funções celulares e vias de sinalização. Nosso grupo demonstrou que as células leveduriforme de P. brasiliensis proliferam quando expostas a baixas concentrações de NO. Assim, este trabalho investigou o perfil de modulação de proteínas S-nitrosiladas de P. brasiliensis, bem como a identificação de sítios de S-nitrosilação após tratamento com RNS. Através da análise por espectrometria de massa (LC-MS / MS) e quantificação sem marcador, foi possível identificar 474 proteínas no estudo do S-nitroso proteoma do fungo. Com essa abordagem, observamos que as proteínas identificadas após o tratamento com baixas concentrações de NO apresentaram um padrão de resposta proliferativa, com várias proteínas envolvidas na regulação e crescimento do ciclo celular. Essas proteínas parecem desempenhar papéis importantes na virulência fúngica. Por outro lado, fungos estimulados por altas concentrações de NO exibiram um padrão de resposta de sobrevivência. Entre essas proteínas S-nitrosiladas, identificamos vários potenciais alvos moleculares para a terapia de doenças fúngicas, incluindo a via da integridade da parede celular (CWI), metabolismo de aminoácidos e ácido fólico. Além disso, detectamos que a sinalização redox de transnitrosilação/denitrosilação é preservada nesse fungo. Finalmente, este trabalho pode ajudar a descobrir as propriedades benéficas e antifúngicas do NO no P. brasiliensis e indicar para potenciais alvos úteis para o desenvolvimento de drogas antifúngicas. (AU)