Busca avançada
Ano de início
Entree

AGNES - Aging Nephropathy Study Estudo da Nefropatia do Idoso - Uma Coorte Prospectiva Observacional da Doença Renal Crônica do Idoso

Processo: 19/04045-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2020 - 30 de junho de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Rosilene Motta Elias Coelho
Beneficiário:Rosilene Motta Elias Coelho
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Bengt Lindholm ; Carla Maria Avesani ; Peter Stenvinkel ; Rosa Maria Affonso Moysés ; Venceslau Antonio coelho
Assunto(s):Nefrologia  Insuficiência renal crônica  Diálise  Mortalidade  Fragilidade 

Resumo

Com o aumento da longevidade, alta prevalência de obesidade, hipertensão arterial sistêmica e Diabetes Mellitus, estamos observando um aumento da incidência de pacientes idosos com doença renal crônica (DRC) e iniciando terapia renal substitutiva. Muitas dúvidas permanecem, porém, quanto ao diagnóstico correto de DRC, o prognóstico do paciente idoso com DRC, principalmente comparando iniciar diálise vs. permanecer em tratamento conservador, os marcadores prognósticos nutricionais (sarcopenia), cardiovasculares, do metabolismo mineral e ósseo, das síndromes geriátricas e das desordens do sono. Os idosos são quase sempre excluídos dos estudos e as evidências científicas são escassas ou baseadas em dados retrospectivos. Desta forma, o presente estudo propõe uma coorte prospectiva para avaliar a evolução em longo prazo de pacientes e70 anos com DRC estágio 4 ou 5 não dialíticos, sendo principais desfechos mortalidade e início de TRS. Estes desfechos serão correlacionados com: síndromes geriátricas, marcadores do metabolismo mineral e ósseo (cálcio, fósforo, vitamina D, Klotho, paratormônio, FGF-23, FGF-21, 25 vitamina D e 1,25 vitamina D, declínio cognitivo, dados clínicos, demográficos e bioquímicos, dados de densitometria óssea e ecocardiograma e dados de sono.Os pacientes serão acompanhados no ambulatório de nefrologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. A amostra calculada inicialmente foi de 197 indivíduos e o cronograma previsto é até o fim de 2024. A metodologia resumida irá incluir: avaliação geriátrica ampla, teste de cognição, fragilidade, escores de comorbidade de Charlson, dosagens laboratoriais de ureia, creatinina, taxa de filtração glomerular estimada por CKDEPI, fosfatase alcalina, PTH, cálcio total cálcio iônico, fósforo, 25-vitamina D, hemograma completo, vitamina b12, ácido fólico, TSH, T4L, VDRL sérico, sorologia para vírus B, C e HIV, albumina sérica, relação albumina/creatinina, relação proteína/creatinina, proteinúria urina de 24h, tomografia de crânio, densitometria óssea, monitorização ambulatorial de pressão arterial (MAPA), actigrafia, polissonografia, escala de sonolência de Epworth, questionário de Pitssburgh e bioimpedância elétrica segmentar. (AU)