Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de combinações de copa e porta-enxerto para a sustentabilidade do cultivo de citros no estado de São Paulo

Processo: 19/26172-9
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de julho de 2020 - 30 de junho de 2022
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Eduardo Sanches Stuchi
Beneficiário:Eduardo Sanches Stuchi
Instituição-sede: Estação Experimental de Agronegócio de Bebedouro (EEAB). Fundação de Pesquisas Agroindustriais de Bebedouro (FUPAB). Bebedouro , SP, Brasil
Pesq. associados: Alécio Souza Moreira ; Eduardo Augusto Girardi ; Mariângela Cristofani-Yaly ; Marinês Bastianel ; Renato Beozzo Bassanezi
Assunto(s):Melhoramento genético vegetal  Hibridização genética  Citricultura  Laranja  Combinações de variedades copa e porta-enxertos  Manejo e tratos culturais  Controle alternativo de doenças de plantas  Sustentabilidade 

Resumo

A citricultura paulista é a maior produtora mundial de laranja doce, suco processado e demais coprodutos. O Estado de São Paulo é ainda o maior produtor brasileiro de tangerinas e limas ácidas, sendo a citricultura uma atividade com expressiva importância socioeconômica. Caracteriza-se pela baixa diversificação de cultivares de copa e porta-enxerto e pela restrita oferta de frutos de elevada qualidade ao longo de todo o ano, o que expõe a atividade a diversos riscos de ordem climática e fitossanitária. Para as laranjas, apenas quatro cultivares correspondem a 75% da produção, enquanto para tangerinas duas variedades somam 89% dos cultivos e, no caso das limas ácidas, só se cultivam dois clones de Tahiti. Para os porta-enxertos, três variedades compõem mais de 90% dos pomares, sendo apenas uma delas a metade. Entre os atributos que atualmente são necessários para a adoção de combinações de copa/porta-enxerto, incluem-se indução de elevada produção de frutos com alta qualidade para mesa e processamento de suco pasteurizado, redução do tamanho da copa que facilite a colheita e outros tratos culturais, elevada tolerância à seca e maior eficiência de uso da água, em função da irrigação restrita no estado, e maior adaptação à convivência com diversas pragas e doenças, notadamente o huanglongbing. Dentro deste contexto, propõe-se avaliar o desempenho de um conjunto de 572 combinações de copa e de porta-enxerto de citros, notadamente novos híbridos como citrandarins, e sua reação às principais doenças dos citros e à seca em 14 experimentos distribuídos em duas condições ambientais do Estado de São Paulo (Norte e Sul). Espera-se disponibilizar combinações de citros superiores ou com boas vantagens comparativas para contribuir com a sustentabilidade desta cadeia produtiva em São Paulo. (AU)