Busca avançada
Ano de início
Entree

A paleoentomofauna da formação crato (cretáceo inferior; bacia do araripe): sistemática e paleoecologia

Processo: 20/02844-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2020 - 31 de agosto de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Paleozoologia
Pesquisador responsável:Guilherme Cunha Ribeiro
Beneficiário:Guilherme Cunha Ribeiro
Instituição-sede: Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH). Universidade Federal do ABC (UFABC). Ministério da Educação (Brasil). Santo André , SP, Brasil
Assunto(s):Gondwana  Filogenia  Taxonomia  Paleoecologia 

Resumo

A Formação Crato (Bacia do Araripe, Nordeste do Brasil) é considerada uma das mais importantes Konservat-Lagerstätten do Cretáceo Inferior do mundo, conhecida internacionalmente pelo excepcional nível de preservação de seus fósseis. No registro paleontológico da Formação Crato, os insetos se destacam em diversidade e riqueza onde estão representados por diferentes estágios, como larvas, ninfas e adultos de uma ampla variedade de táxons. O objetivo deste projeto é criar uma nova rede ativa de colaboração internacional para estudar a paleoentomologia da Formação Crato, a fim de abordar questões taxonômicas, filogenéticas e paleoecológicas. 1- Estudos taxonômicos: incluem principalmente a revisão taxonômica dos táxons de insetos descritos para a Formação Crato e descrições de novos táxons. A recuperação recente de uma parte importante dos tipos nomenclatórios da Coleção Martins-Neto (cerca de 50 holótipos, que se encontravam perdidos) abre novas possibilidades para estudos de revisão. 2-Estudos Filogenéticos: Sempre que possível dados taxonômicos servirão de base para inferir as relações filogenéticas entre os táxons. 3-Estudos Paleoecológicos: raramente são realizados estudos da fauna de insetos da Formação Crato em um contexto ecológico. No entanto, há um grande potencial a ser explorado, com possíveis implicações para uma compreensão mais precisa da natureza do paleoambiente da Formação Crato e seus arredores. Novas coleções de fósseis de insetos Crato estão sendo montadas em diferentes instituições brasileiras, como a Universidade Federal do ABC (Santo André) e a Universidade Federal do Mato Grosso (Cuiabá). Os bancos de dados de espécimes compartilhados serão construídos para essas coleções, permitindo o intercâmbio de dados e o trabalho colaborativo com vários especialistas diferentes. (AU)