Busca avançada
Ano de início
Entree

Hiperplasia Prostática: análise da vascularização, hemodinâmica e hormonal em cães tratados com finasterida ou orquiectomia.

Processo: 20/09541-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de outubro de 2020 - 31 de março de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Pesquisador responsável:Camila Infantosi Vannucchi
Beneficiário:Camila Infantosi Vannucchi
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Doppler  Próstata 

Resumo

Como consequência do desbalanço hormonal, a Hiperplasia Prostática (HP) é caracterizada por aumento de volume da próstata, além de aumento local da angiogênese e vascularização. A orquiectomia é o tratamento mais comum em cães, porém não é uma opção para reprodutores. Portanto, a finasterida é a droga de eleição para cães reprodutores. Desta maneira, o objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos da orquiectomia ou terapia com finasterida no perfil hormonal e hemodinâmico de cães com HP. Quinze cães, com idade de 6-13 anos foram alocados em: Grupo Não tratado (cães diagnosticados com HP-n = 5), Grupo Tratamento com Finasterida (cães com HP tratados com finasterida -n = 5) e Grupo tratado com orquiectomia (cães com HP submetidos a orquiectomia -n = 5). As avaliações foram realizadas mensalmente (primeiro dia de tratamento, após 30 e 60 dias). A ultrasonografia Doppler foi realizada para mensuração do volume prostático, vascularização e perfil hemodinâmico da artéria prostática. As concentrações de dihidrotestosterona, estrógeno e testosterona foram determinadas. Aos 60 dias, a biópsia prostática foi realizada para avaliação histológica, imunoistoquímica e de qPCR para a expressão do VEGF-A. Aos 60 dias, o escore de vascularização foi superior no grupo não tratado em comparação aos grupos tratados (finasterida e orquiectomia). Ademais, a expressão de VEGF-A foi menor no grupo Tratado com Orquiectomia, mas a avaliação imunoistoquímica foi inferior nos grupos tratados (finasterida e orquiectomia) em comparação ao grupo não tratado. A eficácia da finasterida em reduzir os sinais clínicos, volume prostático e vascularização parece ser semelhante a orquiectomia. Em conclusão, ambos tratamentos médicos ou cirúrgicos para a HP reduzem as dimensões prostáticas e a expressão do VEGF-A e, consequentemente, diminui a vascularização loca. Entretanto, a orquiectomia promove modificações hormonais marcantes, levando a atrofia prostática. (AU)