Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de um método para auxílio diagnóstico in vitro de caquexia em felinos domésticos

Processo: 19/23068-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de setembro de 2020 - 31 de maio de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:Gustavo Shimabukuro Marchini
Beneficiário:Gustavo Shimabukuro Marchini
Empresa:Tovem Biotech Pesquisas e Análises Técnicas Ltda
CNAE: Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda
Testes e análises técnicas
Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais
Município: São Paulo
Assunto(s):Neoplasias  Cálcio intracelular  Diagnóstico  Caquexia  Felidae 

Resumo

A caquexia é uma síndrome metabólica caracterizada principalmente pela perda involuntária de massa muscular que não pode ser totalmente revertida por um aumento na ingestão de nutrientes e que leva a um comprometimento funcional progressivo do organismo. Esta síndrome está associada a outras doenças, afetando humanos com síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS), doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), esclerose múltipla, tuberculose e principalmente câncer, além de animais de companhia com câncer, insuficiência cardíaca congestiva e doença renal crônica. Atualmente não existem métodos eficientes de diagnosticar a caquexia, principalmente em estágios iniciais, de forma que tanto em humanos como nos animais de companhia o diagnóstico principal se baseia na avaliação da perda de peso involuntária, inflamações e alterações metabólicas para definir o estágio da síndrome. Segundo a Organização Mundial da Saúde o câncer é a segunda principal causa de mortes, em humanos, no mundo tendo sido registradas 9,6 milhões de mortes no ano de 2018, 20% delas relacionadas à caquexia. Neste cenário os gastos relacionados à caquexia no tratamento do câncer representam cerca de US$ 6,2 bilhões no mundo e US$ 138 milhões no Brasil. No caso dos animais de companhia, é estimado que cerca de 20% dos cães e 25% dos gatos desenvolverão algum tipo de câncer ao longo da vida, com caquexia associada em 70% nos cães e em mais de 90% nos gatos. Além disto, em ambas as espécies de animais a doença renal crônica é a principal causa de morbidades e mortalidade apresentando complicações ligadas à caquexia em mais de 20% dos animais. Esta doença afeta entre 30 e 50% dos felinos domésticos com idade superior a 15 anos. Estes números contribuíram para um mercado Pet global com faturamento superior a US$ 124 bilhões em 2018 e com previsão de superar os US$ 200 bilhões em 2025. O Brasil é o segundo maior mercado PET com faturamento de US$ 6,5 bilhões do qual a parcela relativa aos tratamentos veterinários e medicamentos (Pet Vet) somam mais de US$ 1,15 bilhão (17,7%). Desta forma, as análises realizadas neste projeto têm o objetivo de identificar parâmetros fisiológicos associados à caquexia que permitam o desenvolvimento de um método de diagnóstico e acompanhamento in vitro de caquexia em felinos domésticos. Para isto, inicialmente, mioblastos de camundongo e de felinos domésticos serão diferenciados em miotubos e, posteriormente tratados com interleucina IL-1a, com a citocina TNFa e com soro de pacientes veterinários. Serão analisados parâmetros moleculares, morfológicos e funcionais, utilizando métodos de fluorescência para avaliação do cálcio intracelular, estudos de MTT para verificação de viabilidade celular e testes Western Blot para quantificação de proteínas. O método poderá contribuir com a identificação precoce da síndrome nos felinos domésticos, aumentando e melhorando a expectativa de vida destes animais e reduzindo os custos com o tratamento da doença original, podendo em um segundo momento ser aplicado para cães e para o mercado humano. (AU)