Busca avançada
Ano de início
Entree

Interferência dos tumores de células germinativas sobre a espermatogênese

Processo: 19/21877-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2020 - 31 de julho de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Renato Fraietta
Beneficiário:Renato Fraietta
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Renata Cristina de Carvalho ; Ricardo Pimenta Bertolla ; Sergio C Oehninger
Assunto(s):Espermatogênese  Infertilidade  Neoplasias testiculares  Seminoma  Infertilidade masculina 

Resumo

O tumor testicular de células germinativas (TCGTs) é o que mais acomete homens em idade reprodutiva. Há dois subtipos principais de TCGTs, sendo eles seminomatosos e não-seminomatosos; ambos possuem origem nas células germinativas, porém os não seminomatosos possuem uma natureza mais agressiva, podendo atingir células somáticas. Já foi relatado que a qualidade seminal de pacientes acometidos porTCGTs é afetada. Além disso, um estudo anterior realizado pelo nosso grupo avaliou amostras seminais de portadores de TCGTs no momento pré e pós orquiectomia, no qual foi detectado algumas proteínas hiperexpressas no grupo pré, sendo elas: GSHB, CD14, APOA1, B4GALT1 e GP2. Assim, hipotetizamos que a hiperexpressão de proteínas no plasma seminal de pacientes portadores de tumor de célula germinativa, está relacionada ao testículo e pode variar de acordo com os subtipos tumorais seminomatosos e não-seminomatosos interferindo na espermatogênese. Analisaremos através de marcação proteica no tecido testicular e histopatologia as diferenças existentes tanto na expressão de proteínas quanto nas possíveis alterações relacionadas a organização da espermatogênese entre os subtipos de tumores seminomatosos e não-seminomatosos. Serão utilizados fragmentos testiculares provindos de orquiectomia do Departamento de Patologia da UNIFESP. Haverá três grupos: controle, grupo com tumor seminomatoso puro e não-seminomatoso misto, sem componentes seminomatosos; será aplicada a técnica de imuno-histoquímica para avaliar a expressão das proteínas citadas a cima, como também histopatologia dos túbulos seminíferos, correlacionando com a natureza de cada tumor. (AU)