Busca avançada
Ano de início
Entree

Crosta negra em seringueira: agente causal, influência ambiental na pré-penetração em diferentes clones seringueira, seleção de clones resistentes e controle biológico em clones suscetíveis

Resumo

A seringueira (Hevea brasiliensis Müell. Arg.) é uma espécie oriunda da região amazônica, amplamente cultivada no Brasil. No decorrer destes últimos anos, com as mudanças climáticas somadas a fatores como expansão dos seringais para diferentes localidades com diferentes condições ambientais, a ocorrência de uma doença que sempre foi tratada como secundária, a crosta negra, vem se tornando preocupante devido a queda precoce das folhas de seringueiras Esta doença vem sendo associada aos fungos Phyllachora huberi e Rosenscheldiella heveae, que podem ocorrer de forma isolada em conjunto. Pelo fato desta doença ter sido tratada como de baixa importância em seringais, estudos relacionados a ela são escassos. Desta forma, informações atualizadas que visem determinar quais espécies de Phyllachora e Rosenscheldiella ocorrem e quais prevalecem nas principais regiões produtoras de seringueira e que caracterizem as populações do patógeno são importantes para o país. Assim, este trabalho tem como objetivo identificar e caracterizar espécies de fungos associadas associados à crosta negra da seringueira em diferentes Estados brasileiros. Para isso, serão realizadas análises filogenéticas, utilizando sequências parciais da subunidade parcial rDNA (28S, LSU), região ribossomal rDNA (18S, SSU) e da região do ITS-5.8S rDNA dos isolados coletados. Os isolados também serão caracterizados patogenicamente por meio da inoculação em distintos clones de seringueiras. Aliados ao experimento de reação diferencial de clones serão realizados testes de controle da doença com agentes biológicos disponíveis comercialmente e isolados a microfauna de folhas de seringueira. Finalmente, isolados representativos das principais espécies encontradas serão avaliados quanto aos percentuais de conídios germinados durante a fase de pré-penetração e sua penetração em folíolos de seringueira, sob influência de diferentes temperaturas e períodos de molhamento. Os resultados obtidos permitirão a melhor compreensão de aspectos etiológicos e epidemiológicos da doença, fornecendo subsídios para o desenvolvimento e a adoção de métodos de controle adequados para esta da seringueira no Brasil. (AU)