Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise proteômica e metabolômica sistêmica do envenenemento por serpentes do gênero Bothrops e dos efeitos do antiveneno, utilizando um modelo murino.

Processo: 19/26476-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de janeiro de 2021 - 31 de dezembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Convênio/Acordo: DFG
Pesquisador responsável:Solange Maria de Toledo Serrano
Beneficiário:Solange Maria de Toledo Serrano
Pesq. responsável no exterior: Oliver Schilling
Instituição no exterior: University of Freiburg, Alemanha
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Bothrops  Venenos de serpentes  Proteômica  Peptidômica  Metabolômica 

Resumo

Venenos de animais contêm diversas toxinas que atuam em conjunto para romper os sistemas homeostáticos altamente robustos dos organismos de suas presas. Por outro lado, os organismos das presas antagonizam ativamente cada etapa do fenômeno do envenenamento, que exibe uma cinética complexa envolvendo mudanças importantes nos níveis molecular, celular, tecidual e do organismo como um todo. Os desafios para o estudo de venenos e o envenenamento compreendem dois obstáculos: primeiro, analisar, isolar e caracterizar quimicamente a variedade de toxinas nos venenos naturais; segundo, investigar os mecanismos moleculares subjacentes à dinâmica do envenenamento, que inclui respostas sistêmicas que progridem das células e tecidos locais para todo o organismo. Em estudos anteriores, as investigações utilizando abordagens ômicas sobre as atividades de metaloproteinases de venenos de serpentes (SVMP, na sigla em inglês) em sistemas biológicos complexos permitiram avaliar vários aspéctos da severa patologia do envenenamento por serpente, bem como os efeitos in vivo desencadeados por SVMPs isoladas. Nesse contexto, o objetivo geral deste projeto é expandir a análise sistêmica da resposta do hospedeiro mamífero à mistura complexa de toxinas de um veneno, em lugar de componentes individuais, aplicando abordagens proteômicas e metabolômicas para explorar os efeitos in vivo do veneno de Bothrops jararaca no músculo, plasma, rins, pulmões e fígado de camundongos. Considerando o alto nível de mortalidade e morbidade causados por picadas de serpentes em escala mundial, fato que é reconhecido pela OMS como uma doença tropical negligenciada, e o papel crucial do antiveneno em seu tratamento, também será avaliado o impacto do antiveneno anti-bothrópico nos efeitos sistêmicos do veneno. (AU)