Busca avançada
Ano de início
Entree

Homeostase hidroeletrolítica e energética: do metabolismo celular aos sistemas endócrinos em diferentes fases do desenvolvimento

Resumo

Os sistemas nervoso e endócrino mantêm relação recíproca com órgãos e tecidos periféricos envolvidos na regulação das diferentes funções do organismo. Para alcançar a resposta adaptativa, mecanismos homeostáticos são ativados, assim informações oriundas de sistemas periféricos, como fatores metabólicos como glicose, ácidos graxos, eletrólitos, hormônios, citocinas e miocinas interagem com circuitos neuronais e não neuronais, visando a manutenção do meio interno. Além de sua função estrutural, o osso participa como alvo e modulador da homeostase energética. Outro aspecto que merece atenção é a influência da exposição a fatores adversos nas diferentes fases do desenvolvimento (intrauterina, neonatal) como fatores de risco para doenças metabólicas na vida juvenil e adulta. De particular interesse neste projeto ressaltamos o estabelecimento das vias neurais, bem como dos neurotransmissores e peptídeos envolvidos no balanço hidroeletrolítico e energético. Outro foco relevante do presente projeto é a investigação clínica do impacto de doenças metabólicas e osteominerais na interação entre os diversos tecidos mesenquimais. Para estudo dos diferentes aspectos acima mencionados, este projeto temático é constituído pelos subprojetos 1) identificação e implicação dos neuromoduladores hipotalâmicos envolvidos no balanço hidroeletrolítico frente às alterações de osmolalidade e volume; 2) interações mútuas entre o sistema nervoso e os tecidos mesenquimais adiposo, muscular e ósseo na homeostase energética e osteomineral; e 3) investigação clínica do impacto de doenças do metabolismo energético e mineral na interação entre os tecido mesenquimais ósseo, muscular e adiposo. Os subprojetos contemplam modelos experimentais, translacionais e clínicos que utilizarão diferentes abordagens como deleção condicionada (sistema cre-lox), restrição nutricional e hipernutrição neonatal (alteração no tamanho da ninhada), estudo de composição corporal, estudo de transcriptoma hipotalâmico, ativação ou inibição quimiogenética (DREADD), optogenética, silenciamento gênico (ex. injeção de vetores lentivirais, AAVs), estudo de morfologia celular e cultura de células. Desta forma, a realização dos estudos propostos propiciará a obtenção de dados originais relevantes e contribuirá para o melhor entendimento dos mecanismos centrais e periféricos envolvidos na complexa interação tecidual na homeostase energética e osteomineral. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Pós-doutorado em neuroendocrinologia na USP de Ribeirão Preto 
Pós-doutorado em endocrinologia na USP de Ribeirão Preto