Busca avançada
Ano de início
Entree

Trombiculídeos (Acari: Trombiculidae e Leeuwenhoekiidae) parasitos de vertebrados: estudos morfológicos e investigação da presença de Rickettsia spp.

Processo: 19/19853-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2020 - 30 de novembro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária
Pesquisador responsável:Fernando de Castro Jacinavicius
Beneficiário:Fernando de Castro Jacinavicius
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Darci Moraes Barros-Battesti ; Marcelo Bahia Labruna ; Sebastián Alejandro Munoz Leal ; Valeria Castilho Onofrio
Assunto(s):Ácaros  Brasil  Rickettsia  Taxonomia  Vertebrados 

Resumo

Trombiculídeo é o nome popular do estágio larval de ácaros da família Trombiculidae s. l., estes parasitam vertebrados e podem causar uma reação cutânea no hospedeiro, conhecida como trombiculíase. No Brasil são conhecidas apenas 69 espécies e em muitas delas, há apenas um único registro de localidade e hospedeiro. Na região Ásia-Pacífico, algumas espécies desta família são vetores de tsutsugamushi, uma riquetsiose humana, causada pela bactéria Orientia tsusugamushi. Além desta bactéria, a presença de alguns patógenos (Borrelia, Coxiella, Hepatozoon e Rickettsia) foi detectada em ácaros trombiculídeos em diversos lugares do mundo. Para o Brasil, Ricekttsia felis-like foi detectada em Blankaartia sinnamaryi coletada de ave, assim como Ricekttsia sp. encontrada em três espécies de trombiculídeos coletados de roedores no estado de São Paulo. Na região Neotropical, os trombiculídeos são pouco estudados e existem lacunas na taxonomia, biodiversidade e associação com hospedeiros. Coleções nacionais e internacionais serão consultadas e os espécimes preservados em banco tecidos serão examinados para teste de detecção de patógeno.As sequências geradas serão depositadas em bancos de genes Considerando a carência do conhecimento da distribuição das espécies que ocorrem neste país de dimensões continentais, e que existem indícios da possibilidade das larvas participarem da transmissão de patógenos, torna-se relevante a análise investigativa de Rickettsia neste grupo de ácaros no Brasil. (AU)